Adriano Escanhuela/ Divulgação
Adriano Escanhuela/ Divulgação

Ópera 'Carmen' recebe novo final para acabar com violência contra mulheres

Obra de Georges Bizet, que estreou em 1875, será apresentada em 7 de janeiro em Florença

Varsha Saraogi, Reuters

05 Janeiro 2018 | 18h45

Após mais de 140 anos sendo morta a facadas no palco, a heroína cigana da ópera Carmen recebe sua própria vingança em uma nova produção italiana, atirando em seu frustrado amante como alternativa.

A popular ópera do compositor francês Georges Bizet, que estreou em 1875, terá um novo final quando for apresentada em 7 de janeiro em Florença para destacar a batalha em curso para acabar com a violência contra mulheres na Itália.

Na versão mais recente, escrita pelo diretor italiano Leo Muscato, a paqueradora Carmen não irá mais morrer pelas mãos de seu amante rejeitado, Don Jose, que abandonou por um toureiro, mas irá matá-lo.

O chefe da Fundação Musical Teatro del Maggio, de Florença, Cristiano Chiarot, disse ter discutido mudar a ópera com Muscato para dar à obra um final mais moderno.

“Em um momento em que nossa sociedade está tendo que confrontar o assassinato de mulheres, como podemos ousar aplaudir o assassinato de uma mulher?”, disse Chiarot, que assumiu no ano passado, à Thomson Reuters Foundation por email.

Números do Instituto Nacional de Estatísticas da Itália indicam que uma em cada três mulheres italianas entre 16 e 70 anos passou por violência física ou sexual em 2014, enquanto 149 mulheres foram assassinadas em 2016, metade delas mortas por parceiros ou ex-parceiros.

 

Mais conteúdo sobre:
Georges Bizet Ópera

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.