ONG pede "impeachment" da música brega

Uma organização não-governamental intitulada MPB Sempre abriu fogo na tarde de ontem contra a execução de músicas brega nas rádios, durante a tradicional Feira da Pompéia, realizada nas principais ruas do bairro. Uma passeata a favor de mais espaço na mídia para músicos brasileiros considerados pelos manifestantes como "injustiçados" estava prevista para começar às 15h, mas teve de ser adiada para as 18h por causa das chuvas que caíram no início da tarde na capital.Os integrantes da ONG querem "uma democratização dos meios de comunicação". "Estamos aqui para pedir o impeachment dessa brega music que domina as rádio e os programas de televisão. Como é que pode, por exemplo, um compositor como Vinícius de Moraes não ter sua música divulgada?", reclamava José Augusto Lisboa, presidente da organização, que subiu ao palco da Rua Padre Chico para convidar às pessoas a participar da passeata.Seu discurso fez polêmica entre as pessoas da feira. "O que manda nas rádios é o que vende mais. Não existe mesmo uma democracia", opinou o casal Luiz Carlos Prado, médico de 40 anos, e Teresinha Meireles do Prado, psicóloga de 31 anos. "Só não pode ser uma manifestação isolada. É preciso haver educação musical nas escolas para que o público conheça outras coisas que não apenas os artistas mais comerciais", disseram os estudantes e músicos Thiago Abdalla, de 19 anos, e Gabriela Vasconcelos, de 20.Mas houve quem discordasse do tom dos manifestantes. "Existe espaço para tudo. Há rádios para MPB, como a USP e a Eldorado, e rádios mais populares para música comercial", disse a professora de dança Giuliana Scorza, 29 anos, fã de música eletrônica. Para o estudante Sidmar Gomes, 18 anos, há radicalismo e generalização no discurso da ONG. "Eles esquecem que Sandy & Júnior ou Chitãozinho & Xororó também fazem música popular brasileira."Manifestações à parte, a 15.ª Feira da Pompéia reuniu um público diversificado. Helena Bilato, 76 anos, era só felicidade. Tomando vinho quente, contou com orgulho que estava lá porque "minha neta Elaine foi me buscar em Itapira." Elaine é mulher do guitarrista de blues André Christovam. O músico cedeu uma canção para o CD que o Centro Cultural Pompéia, organizador do evento, lança este ano.A Administração Regional da Lapa, em parceria com diversas empresas do bairro, montou barracas prestadoras de serviços que variavam de medição de pressão arterial à distribuição de compostos orgânicos. Moradores do bairro, Luis e Renata Mandragon, pais de Giovanna, de um ano e sete meses, não se incomodavam com o fato da feira ser realizada, literalmente, na porta da casa deles. "Ao contrário, curtimos bastante." Dindry, uma drag queen, se destacava entre as pessoas. "Sou mulher, leio ´Marie Claire´ e uso Valisére."

Agencia Estado,

20 de maio de 2002 | 11h51

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.