Ofensiva de Michael Jackson não cola

O tiro de Michael Jackson na Sony Musicpode ter saído pela culatra. O chefão da gravadora, TommyMottola, não respondeu às acusações de racismo feitas pelo popstar contra ele, mas executivos da empresa disseram em "off"para publicações nova-iorquinas que o"verdadeiro" problema da carreira do cantor foram as acusações de pedofilia.Segundo executivos ouvidos pelo jornal Daily News, a carreira do pop star foi arruinada por sua personalidade esquisita e pelas acusaçõesde ter molestado crianças. O escândalo de pedofilia veio a público em 1993, quando um garoto de 13 anos reclamou para umterapeuta que tinha sido abusado sexualmente pelo cantor. Opsicólogo levou a informação para a polícia, que investigou ocaso. Jackson não foi processado, no entanto, porque a vítimaresolveu não testemunhar na Justiça. Mas o circo já estavaarmado.Quando acomoção era generalizada e a notícia não morria na imprensasensacionalista, Jackson piorou a situação ao fazer um acordo como pai da vítima. Foi praticamente uma confissão de culpa, especialmenteporque o valor pago ao menino foi uma fortuna estimada entre US$15 milhões e US$ 24 milhões."As acusações de pedofilia assustaram o público americano",disse o executivo da gravadora para o jornal. O executivo também acha que as acusações deracismo que Jackson vem fazendo são uma tentativa desesperada de estar por cima nahora de "renegociar" suas dívidas com a Sony, referentes a seu disco mais recente, Invincible. A gravadora pode ter gasto até US$55 milhões para produzir e divulgar o disco e uma parte dessa conta (não se sabe qual) é do artista. Há também rumores de que Jackson tomou empréstimosda empresa, que é parte do grupo japonês de mesmo nome, e queestá no vermelho em US$ 200 milhões.Invincible vendeu 2 milhões de unidades no mercardoamericano. O disco anterior do artista, Dangerous, de 1991,teve 7 milhões de unidades vendidas. Seu maior sucesso,Thriller, chegou a 26 milhões de discos vendidos e está empatado com The Eagles´ Greatest Hits 71-75 no posto de maior sucesso da indústria fonográfica detodos os tempos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.