OER abre temporada 2001 no Municipal

A Orquestra Experimental de Repertório (OER) abre domingo a sua temporada 2001, tendo à frente seu diretor-artístico e regente-titular, Jamil Maluf. Como solista, o jovem violinista brasileiro radicado nos Estados Unidos Daniel Guedes, que interpreta o Concerto para Violino e Orquestra de Tchaikovski. Complementa o programa a Sinfonia n.º 1 de Johannes Brahms.Na opinião de Jamil Maluf, a escolha do repertório mostra a qualidade do grupo, que completou dez anos em 2000. "O concerto de Tchaikovski, por exemplo, é um dos mais complexos já escritos para violino e orquestra", afirma. No que diz respeito à sinfonia de Brahms, a coisa não é tão diferente assim. "Em sua primeira sinfonia, Brahms mostra a orquestra de maneira bastante completa, exigindo de todos os naipes bastante cuidado na interpretação."Como solista para o Concerto de Tchaikovski, obra escrita em 1878, a Experimental de Repertório recebe o jovem brasileiro Daniel Guedes, de 24 anos. Apesar da idade, Guedes tem conquistado espaço nos Estados Unidos, onde estuda - desenvolve a pesquisa de mestrado na Manhattan School of Music, onde também já é professor-assistente - com grandes mestres de seu instrumento, como Pinchas Zukerman.ReconhecimentoO ano começou para a Experimental de Repertório com uma novidade: a orquestra foi escolhida pelo maestro Lorin Maazel - que em 2002 assume o posto de regente-titular da Filarmônica de Nova York - para sediar o Maazel/Vilar Conductor´s Competition. "Aceitei a sugestão do Mozarteum e mandei um vídeo de uma apresentação da orquestra, que acabou sendo escolhida", lembra Maluf. Maazel irá reger o grupo em abril do ano que vem.Até lá, a orquestra montou uma programação que, como de costume, aposta na inovação do repertório e na interação entre diferentes estilos e linguagens artísticas. Após participar, no ano passado, de um espetáculo - dois - em que Os Planetas, de Gustav Holst, serviam de ponto de partida para uma encenação do Grupo de Teatro Negro Imago Cia. de Animação, este ano o grupo volta a montar um espetáculo em que a música sinfônica ganha interpretação. Trata-se de Sherazade, que une duas peças inpiradas na personagem, escritas por Rimsky-Korsakov e Maurice Ravel. Peças bastante diferentes, como ressalta Maluf. "Enquanto Rimski-Korsakov narra, ao longo de sua obra, uma das histórias contadas no livro, Ravel preocupa-se em entender e revelar o que está por trás da figura de Sherazade, suas intenções, suas motivações", indica. Essas diferenças estarão presentes no espetáculo, que estréia no dia 5 de maio e que contará com a participação da soprano Claudia Riccitelli.Cláudia, aliás, é apenas uma das solistas de peso convidadas pela orquestra para este ano. Em junho, o violonista brasileiro Fábio Zanon - que no ano passado apresentou, ao lado da Osesp, peças de Maurício Ohana - toca com o grupo que será regido por seu regente-assistente, Paulo Nogueira. Em julho, será a vez do pianista Marcelo Bratke. Em setembro, o destaque da programação é a montagem da ópera Carmen, de Bizet, que será dirigida por Carla Camurati no Teatro Alfa. "Eu e a Carla estamos conversando a respeito de uma produção que possa unir a linguagem da ópera com a linguagem cinematográfica e que resulte em um trabalho mais radical, que ressalte a questão do corpo tão presente na ópera de Bizet." Os cantores da produção serão escolhidos entre os vencedores de um concurso que será realizado este ano no Teatro Alfa. Encerra a temporada do grupo, um espetáculo ao lado do Balé da Cidade, que está montando uma coreografia inspirada no Concerto para Orquestra, de Bela Bartók.Orquestra Experimental de Repertório - Domingo, às 11 horas. De R$ 2,00 a R$ 8,00. Teatro Municipal. (Praça Ramos de Azevedo, s/n.º, tel. 222-8698)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.