Oasis toca para público debaixo de forte chuva

"Chove como em Manchester". Esta foi a melhor definição que o vocalista Liam Gallagher deu para a noite de show da banda. Com pontualidade britânica, o Oasis fez o primeiro show internacional no estacionamento do Credicard Hall, para cerca de 15 mil pessoas, que pularam ao som de Turn up the Sun, faixa do elogiado último CD da banda, Don´t Believe the Truth.A banda inglesa entrou no palco 1 minuto antes do programado. Quem deu mesmo as caras pouco depois de 5 minutos de show foi a forte chuva, que começou a cair quando a banda já tocava a segunda música da noite: Layla.O público ficou em boa parte encharcado e os vendedores de capas de chuva puderam exagerar no preço da unidade: R$ 10,00. Mesmo assim, não tomou conhecimento da tempestade e pulou do mesmo jeito. Quem tentava lucrar com a chuva eram os vendedores de capas, que de R$ 3,00 passaram a cobrar R$ 10,00 por uma capa que costuma ser encontrada por R$ 1,00. O som estava um pouco "abafado" e o telão apresentou vários problemas devido a forte chuva. Antes de cantar Live for ever, Liam fez questão de aplaudir o público, que não arredou o pé.Em uma apresentação que destoou dos últimos que São Paulo vem recebendo, não se via a mesma histeria nem frescuras que tomaram conta dos shows, como o do U2. Invertendo o costumeiro pedido das produções de bandas internacionais, que permitem serem fotografados até as três primeiras musicas iniciais, o Oasis o faz a partir da quarta canção, pois dizem ficar nervosos no início do show.O Oasis realizou um show de acordo com o previsto, seguindo à risca a ordem do set list distribuído à imprensa.TriboOs fãs vieram de várias partes do Brasil, como Santa Catarina, Rio de Janeiro, Ribeirão Preto, Curitiba, o que ajudou a banda a se sentir em casa.O Oasis retribuiu e tocou outros hits como Morning Glory.O público, fazia a linha "moderninho", a maioria na faixa dos 20 anos. Quem destoava era Luis Brusco, de 47 anos, que foi "levado" pelo filho Rodrigo, de 12. "Agente não conseguiu comprar ingresso para o U2. Eu estava devendo um show pra ele, então o Oasis veio a calhar", declarou o gráfico, que pagou entrada inteira para ele e para o filho."Quando chegamos para comprar já não tinha mais para estudantes, mas valeu a pena pagar a inteira porque o Oasis também é ótimo", disse Rodrigo, que toca guitarra e achou mediano o show de abertura da noite, da banda carioca Moptop, que cantou em português. A banda carioca entrou no palco às 21h05 e às 21h40 fazia sua despedida, proferindo vários palavrões por conta de seu vocalista para um público até muito comportado para um show de rock.Até o meio do show do Oasis não havia sido registrada nenhuma ocorrência. Os portões, que foram abertos por volta das 17 horas, tiveram movimento tranqüilo. Mesmo assim, alguns fanáticos fizeram questão de dormir na porta do local.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.