O samba volta a pulsar com Maria Rita; ouça disco na íntegra

Cantora lança ‘Coração a Batucar’, com participação do marido e do filho

Renato Vieira, O Estado de S. Paulo

25 de março de 2014 | 19h39

Maria Rita não se preocupa em correr riscos. Parece ter tomado gosto por eles. Especialmente após passar pelo maior de todos: uma turnê com base em "um dos melhores repertórios de todos os tempos", o de uma certa Elis Regina. Ela afirma que interpretar os clássicos de sua mãe, sem esconder a posição de filha, lhe deu entendimento melhor do que é ser cantora e de seu trabalho. E Coração a Batucar, seu novo CD, previsto para chegar às lojas em abril e já disponível no iTunes, é um reflexo do estágio de segurança adquirido com Viva Elis, posteriormente Redescobrir.

Entre os desafios embutidos no novo trabalho estão o de assinar pela primeira vez a produção de um disco seu com repertório majoritariamente inédito, a quebra de “tabus” relacionados ao samba e os ensaios de um show que deve exigir movimentos intensos após uma operação de correção de hérnias, da qual ainda se recupera e que a faz usar uma cinta pós-cirúrgica. “Mas vai dar tudo certo”, diz Maria Rita, com a segurança adquirida.

"O samba é a paixão da minha vida, só Deus entende. Mas não é um Samba Meu 2. É tudo diferente, a sonoridade, a banda e o meu momento", salienta Rita. A cantora conta ter procurado refletir nas fotos do encarte do álbum o estado de espírito que o ritmo lhe traz. Mas, fugindo do lugar comum, sem que ela segure pandeiro ou tamborim. Uma batalha que ela pretende travar a partir de agora. "O samba tem que ser menos caricato. Pode ser algo tratado, bonito. Por que, para fazer samba, você precisa estar sentado em um boteco batucando com uma roupa qualquer nota? Quem disse que precisa ser assim?"

Família. O marido de Maria Rita, o guitarrista Davi Moraes, toca em todas as faixas do álbum. A cantora conta que o método de trabalho dele casou perfeitamente com o da banda, já que todos dão palpite e trabalham coletivamente. Mas seu olho brilha mesmo ao falar da participação do filho Antonio, 9, tocando tamborim em Vai, Meu Samba. "Ele estava no estúdio e o André (Siqueira, percussionista) estava mostrando os instrumentos. E André falou para ele fazer o tamborim na música. Também falei para ir e ele não acreditou. Se desse errado, o máximo que poderia acontecer era ter que refazer." Atento aos movimentos do baterista Wallace Santos, Antonio foi aprovado pela mãe no posto de instrumentista.

E a família tem ocupado boa parte do tempo de Maria Rita. Especialmente Alice, 1. O nascimento da caçula, segundo a cantora, é o auge da serenidade que ela almeja alcançar desde que se mudou para o Rio de Janeiro há sete anos, por conta do stress com o trânsito de São Paulo. Mas ela se considera uma "mãe leoa". E teme que a filha passe por situações que enfrentou.

"A gente vive em um mundo machista. E, com ela agora no mundo, fiquei um pouco mais intolerante com a ignorância. Antes, era comigo. Mas, quando é com a minha filha, eu me incomodo muito mais." Mas sua intransigência é menor no que diz respeito ao seu campo de trabalho. As críticas já não a incomodam como no passado, quando tinha vontade de ligar para quem a alvejava e explicar que a pessoa via seu trabalho de uma maneira errônea.

"Já sofri muito com isso. Mas ninguém é obrigado a gostar de tudo nem me achar um gênio. Não pretendo e nem quero ser uma unanimidade. Mas sei que cantora como eu hoje, no país, não tem. Talvez tenha e eu não sei. Mas o meu foco não é ser bacana. Meu foco é rasgar o útero em cima do palco." Cinta cirúrgica não vai segurá-la.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.