O registro definitivo do Led Zeppelin, em CD e DVD

Muita gente boa defende que o grupo inglês Led Zeppelin representou o "fim da História" para o rock. Ali estavam todos os elementos que definiam o auge de uma expressão artística, levados ao paroxismo em canções como Kashmir, Black Dog, Immigrant Song, Stairway to Heaven. No próximo dia 27, chega às lojas do mundo todo (no Brasil, só no dia 16 de junho, pela Warner Music) uma lembrança definitiva daquela banda, uma caixa com um CD triplo e um DVD duplo. Atentem para o detalhe: o conteúdo do CD, intitulado How the West Was Won, é absolutamente diferente do conteúdo do Led Zeppelin DVD. Ambos trazem material jamais lançado e sairão em embalagem de luxo (digipack). O DVD trará dois encartes de 16 páginas com fotos e um histórico do projeto.Para falar sobre o lançamento, o Estado conversou ontem, por telefone, com ninguém menos do que Robert Plant, o vocalista daquele grupo que fez seu primeiro ensaio há 35 anos - além de Plant, era formado pelo guitarrista Jimmy Page, o baixista e tecladista John Paul Jones e pelo baterista John Bonham (já morto). "A última vez que estive tocando aí, com Jimmy (Page), foi fantástico", disse um bem-humorado e animadíssimo Plant à reportagem. "Estive em lugares inesquecíveis, como Búzios e, em São Paulo, um clube de garotas chamado Café Photo", afirmou, rindo. De garotas? "Yeaaaahhhh, de garotas, o lugar ideal para dar entrevistas."Plant afirmou que virá com sua banda, Strange Sensations, tocar na América do Sul em março do ano que vem. Tocará no Chile, Brasil e Argentina. "Ainda não está 100% certo, mas é muito provável", afirmou o cantor, que tem planos ainda de gravar um disco com músicos africanos, em Mali. Disse também que "há chance" de ele fazer um outro álbum com seu parceiro de Zeppelin, Jimmy Page, mas não num futuro muito próximo.Das novidades do cenário musical, Plant elogiou o grupo Calexico, os ingleses do Touring Breaks, o grupo africano Tineriwin e mesmo a nova geração do rock americano. "White Stripes? Sim, conheço o grupo. Sim, tem algo de Led Zeppelin neles. Talvez a guitarra", afirmou, antes de cair numa gargalhada.Sobre qual é o atual combustível de uma estrela do rock que revolucionou o gênero, há 35 anos, ele é habilidoso. "Não sou um clássico, as canções é que são clássicas", disse. "Quando você tocou num grupo monstruosamente prolífico como era o Led Zeppelin, que me proporcionou anos e anos de prazer, eu vejo que fui um privilegiado. Mas há muito mais o que fazer, e eu continuo cantando e fazendo o que sei, música." Numa entrevista muito breve, interrompida por um "agora eu tenho que ir", Plant comentou sobre sua relação com o repertório de sua antiga banda - ele e Page não tocam Stairway to Heaven (seu maior sucesso) nem se um milhão de fãs fizerem o caminho de Santiago de joelhos. "Eu não me importo de cantar as velhas canções do Zeppelin, mas geralmente faço isso entre amigos. E não tenho problemas com nenhuma, apenas canto aquelas que prefiro."Leia mais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.