Fadel Senna/AFP
Fadel Senna/AFP

O que faz uma pequena aldeia do Marrocos ter tantas lendas sobre Jimi Hendrix?

Há 50 anos, no dia 18 de setembro de 1970, Jimi Hendrix morria em Londres; um ano antes, ele esteve no Marrocos e viagem alimenta mitos em Diabat e Essaouira

Hamza Mekouar, AFP

16 de setembro de 2020 | 13h38

ESSAOUIRA, MARROCOS - Alguns dizem que o viram, outros inclusive que falaram com ele. Cinquenta anos após a morte do lendário guitarrista Jimi Hendrix, a pequena aldeia de Diabat, no sul do Marrocos, alimenta o mito e a lembrança.

"Eu o vi aqui, era jovem e carregava sua guitarra nas costas", diz Mohamed Boualala, um homem de 60 anos, que cresceu em Diabat antes de se alistar no Exército.

No verão de 1969, o músico fez uma passagem relâmpago em Essaouira, uma cidade fortificada muito turística localizada a 5 km dali. Desta viagem, não existem imagens, nem trilhas sonoras, mas inúmeros mitos que alimentam a lenda.

A aldeia de casas brancas é indissociável do músico americano, que desapareceu tragicamente aos 27 anos em Londres, depois de ingerir um coquetel de soníferos e de vinho tinto.

Com seu Café Jimi e seu albergue Hendrix, a aldeia de Diabat tem o ar de um santuário. Rótulos coloridos e retratos celebram a "passagem histórica" do guitarrista pouco antes de se apresentar no icônico festival de Woodstock.

"Hendrix parecia estar em forma. Estava cercado por seus guarda-costas loiros e enormes. Usava um colar com três diamantes e uma jaqueta jeans forrada", lembra Abdelaziz Khaba. Este homem, de 72 anos, afirma que posou com ele, mas perdeu a foto.

 

Supostas aventuras marroquinas

Embora as visitas ao Marrocos de Jim Morrison, Paul McCartney e Robert Plant nos anos 1960/1970 estejam perfeitamente documentadas, o mistério ronda a estada de Hendrix em Diabat e alimenta os rumores.

Sua "breve visita durante o verão (boreal) de 1969 produziu uma montanha de informações falsas e de histórias fictícias", afirma um de seus biógrafos, Caesar Glebbeek, em um artigo publicado no site Univibes.

Segundo uma lenda perene, ele teria, inclusive, inspirado-se em "Dar Soltane" - uma fortaleza em ruínas quase enterrada no sopé da aldeia - para compor seu famoso título Castle made of Sand (Castelo de Areia).

Mas a canção saiu em 1967, ou seja, dois anos antes de sua estadia no Marrocos.

Isso não impede que o pequeno café de Diabat, repleto de retratos da estrela, evoque triunfantemente este título em uma placa de madeira pregada na parede. 

Há também diversas histórias sobre as aventuras marroquinas de Jimi Hendrix, entre elas a de que ele percorreu o país em uma van, tentando comprar uma ilha na costa de Essaouira, ou toda aldeia de Diabat.

Caesar Glebbeek, o biógrafo do guitarrista de Seattle, procura desvendar o verdadeiro do falso em seus escritos. 

"Sim, Jimi Hendrix veio para Essaouira, onde se hospedou em um quatro estrelas, mas, não importa o que digam os guias turísticos e os fãs nostálgicos, ele nunca visitou Diabat", vaticina.

Tudo o que sabemos sobre:
Jimi HendrixmúsicaMarrocos [África]

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.