Sarah Barlow
Sarah Barlow

'O que aconteceu com Ariana certamente tocou qualquer artista', diz Sabrina Carpenter

Cantora, de apenas 18 anos, será a responsável por abrir os shows de Ariana Grande no Brasil. Em entrevista ao Estado, ela fala sobre sua admiração pela colega

Entrevista com

Sabrina Carpenter

Pedro Rocha, ESPECIAL PARA O ESTADO

29 de junho de 2017 | 17h33

Quem abre os shows de Ariana Grande no Brasil é a jovem Sabrina Carpenter, de apenas 18 anos. As duas, aliás, têm origem parecida, em canais de televisão infantojuvenis. Atualmente, Sabrina estrela a série Girl Meets World, no Disney Channel e coleciona participações em séries como Law & Order: SVU e Orange Is the New Black.

Já ma música, a cantora lançou o seu primeiro álbum com apenas 15 anos e vem agora ao País, para os shows no Rio de Janeiro, nesta quinta-feira, 29, e em São Paulo no próximo dia 1º, com o segundo trabalho, EVOLution (2016). Por telefone, Sabrina conversou com o Estado.

É a sua primeira vez no Brasil, você está animada?

Eu não consigo nem falar o quanto eu estou animada, meus fãs no Brasil têm me pedido para ir aí por muito tempo e eu estou tão feliz em poder abrir para a Ariana. Vai ser incrível.

Como vai ser abrir o show para ela, especialmente depois de toda a tragédia em Manchester?

Ela é uma inspiração, a admiro por conseguir atuar e cantar tão bem. O que aconteceu com ela certamente tocou qualquer artista. Ela

lidou da melhor maneira possível e, a partir de uma coisa horrível, conseguiu ajudar muitas pessoas.

Muita gente que vai ao show pode não conhecer suas músicas ainda. Você está preparando algo para elas?

Obviamente é o público da Ariana e eu vou ficar feliz se encontrar fãs meus por lá. Amo fazer covers, tento colocar alguns elementos no show para que a plateia que não me conheça possa se familiarizar.

Ainda tão jovem, como lida com o trabalho duplo de atriz e cantora?

É difícil. Quando estou filmando, não tenho tempo para música e vice-versa. É sempre uma questão de lugar certo e hora certa.

Não é comum, em outros ramos, ver alguém de 18 já tão bem sucedido em seu trabalho. Como você encara o seu sucesso e a oportunidade poder rodar o mundo com sua música?

Honestamente, eu acho que é uma das coisas mais legais do meu trabalho, me levar para lugares que eu nunca imaginei que poderia ir nessa idade tão jovem. Eu me sinto tão sortuda de poder ir para o Brasil com apenas 18 anos e estou ansiosa para ver onde vou depois. Mas não se preocupe, eu ainda estou preocupada em poupar dinheiro. 

Alguns artistas que começaram muito cedo, como Lindsay Lohan e Justin Bieber, causaram polêmica ao se rebelar em frente aos olhos do público. Você acha que pode acontecer com você?

Eu já sou uma rebelde. Mas eu acho que é tudo sobre a direção que você quer seguir como um artista. Cresimento é normal. Eu acho que as pessoas esquecem isso quando nos veem tão jovens, eles nos veem como crianças e vamos continuar crianças para sempre.

Muitas vezes a música pop fala apenas sobre se divertir, mas você tem músicas maduras e com críticas sociais, como Thumbs. Como você equilibra as coisas? 

Eu acho que tem que ser um balanço, precisamos de músicas em que as pessoas possam se divertir, porque eu acho que a música é algo que nos afasta de coisas que nos preocupam, ela nos liberta.... Por outro lado, com a música você pode atacar algumas coisas difíceis da vida e da melhor maneira possível. Eu tento abordar uma grande quantidade de tópicos reais, sobre o que eu estou passando ou que os meus fãs estejam passando.

Na música pop, quem são suas maiores inspirações?

Eu sempre fui inspirada por grandes e poderosas vozes femininas. Eu cresci amando Christina Aguilera, Adele, Beyoncé, Rihanna, elas têm essa capacidade de sempre experimentar coisas novas, elas não têm medo e eu amo isso. 

ARIANA GRANDE E SABRINA CARPENTER

Allianz Parque. Av. Francisco Matarazzo, 1.705.

Tel.: (11) 4800-6689

Sáb. (1º), a partir das 19h. 

Ingressos disponíveis entre R$ 240 e R$ 520.

Tudo o que sabemos sobre:
Ariana GrandeRio de JaneiroSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.