O pandemônio otimista do Pet Shop Boys vai invadir o Brasil

Dupla inglesa passa por quatro cidades brasileiras na turnê do novo disco, 'Yes'

Lucas Nobile, O Estado de S. Paulo

07 de outubro de 2009 | 08h29

As sutilezas sugerem discrepâncias em relação aos títulos do último disco da dupla britânica Pet Shop Boys e da turnê relativa ao álbum. Ao mesmo tempo em que o CD se chama Yes, o tour mundial ganhou o nome de uma das faixas do disco, Pandemonium. O que parece uma contradição entre o otimismo de um "Sim" e o pessimismo de um "Pandemônio" é justificado pelo próprio vocalista do Pet Shop Boys, Neil Tennant: "Demos o nome de Yes porque o álbum é muito positivo. Já Pandemonium se deve ao fato de o show ter momentos de caos, de transformação total. O mundo é sempre um pandemônio, mas acho que já foi pior", explica o otimista e resignado Tennant.

 

PET SHOP BOYS - Lowe e Tennant lançam 10.º disco de estúdio 

Neil é coerente ao citar os momentos de transformação do show que desembarca hoje na América do Sul (em Santiago, no Chile). Afinal, a dupla dividiu o espetáculo em quatro partes, apresentando mais de 20 músicas, incluindo sucessos como You are Always on my Mind e Go West, e faixas do disco atual. "Cada parte tem um clima bem diferente. Isso é uma coisa nova, que nunca fizemos. O palco e o cenário são espetaculares, em constante transformação", diz.

 

Pandemonium chega ao Brasil na sexta-feira, em Belo Horizonte, passando por Brasília (11/10), São Paulo (13) e Rio de Janeiro (14). Depois, segue para Buenos Aires, Lima, Caracas e Santo Domingo, na República Dominicana. "Estamos indo para um lugar onde nunca fomos, que é Brasília. Estou animado, é uma cidade que sempre quis conhecer. Nós amamos o Brasil, o público é muito carinhoso."

 

Os preços dos ingressos para São Paulo não fogem à regra das grandes atrações internacionais. Os valores, extremamente salgados, chegam a custar R$ 400 (estudantes pagam meia entrada), mas Tennant se defende. "Nossa, é realmente alto. Não consigo acreditar que para Rio e São Paulo custem esse valor.Geralmente, nossos ingressos são muito mais baratos. O Pet Shop Boys nunca abusou do público."

 

Veja também:

linkO espírito antigeracional dos Killers  

link'Só há futuro para quem corre riscos'

linkFranz Ferdinand 'inventa' sistema de distribuição musical

 

Em relação a Yes, décimo disco de estúdio dos ingleses, não há surpresas. Quem não gostava continuará a dar de ombros, e quem já era fã reverenciará mais uma vez. Imprimindo o estilo Pet Shop Boys, Yes dá uma aula aos enlatados eletrônicos de hoje. A dupla prova ser possível mesclar batidas dançantes e baladas românticas com letras interessantes. Um pop eletrônico bem feito, com destaque para Legacy, Building a Wall e The Way It Used to Be, que diz "Se eu pudesse mudar a maneira que sinto/Mas eu quero mais que memórias".

 

Serviço

 

Pet Shop Boys

linkSão Paulo: Credicard Hall (7.000 lug.). Av. das Nações Unidas, 17.955, 2846-6010. 3.ª, 21h30. R$ 90/ R$ 400

linkRio de Janeiro: Citibank Hall (8.430 lug.). Av. Ayrton Senna, 3.000, 0300-7896846. 4.ª, 21h30. R$ 140/ R$ 300

Tudo o que sabemos sobre:
Pet Shop BoysYesshowBrasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.