Denise Andrade
A cantora e compositora Paula Lima. Denise Andrade

A cantora e compositora Paula Lima. Denise Andrade

‘O Negro precisa de espaço’, diz Paula Lima, que defende cotas para diminuir a desigualdade no País

Na Semana da Consciência Negra, o Estadão traz uma série de reportagens com pessoas que são destaques em diferentes áreas da cultura

Danilo Casaletti , Especial para o 'Estadão'

Atualizado

A cantora e compositora Paula Lima. Denise Andrade

Quando Paula Lima assistiu ao vídeo no qual o policial americano pressiona o pescoço de George Floyd até sua morte, em maio deste ano, resolveu que usaria suas redes socais para “dar voz a quem não tem” - sobretudo negros e mulheres. “Sou uma cidadã que busca seus direitos, acredita em causas e se sente no direito de defendê-las”, explica.



Isso não significa que ela não o fizesse antes. No início dos anos 1990, quando começou sua carreira na música, já tinha muito claro que o soul - gênero musical originário nas comunidades negras americanas nos anos 1950 - e a black music seriam seu norte. Não foi fácil. Quando tentou pela primeira vez se lançar em carreira solo, ouviu de um produtor que não seria legal ter um disco de duas cantoras negras no mercado naquele momento - uma outra cantora estava lançando um disco na mesma gravadora.

“Eu poderia ter desistido ali”, lembra.

Desde março, Paula Lima é uma das diretoras da União Brasileira dos Compositores (a UBC) e, com a pandemia, assumiu, além da tarefa de defender os direitos autorais, as lives da entidade nas quais já conversou com nomes como Elba Ramalho, Fafá de Belém, entre outros. Paula ainda apresenta, desde 2016, na Rádio Eldorado FM, o Chocolate Quente, programa dedicado à música negra e, recentemente, foi convidada a assinar uma coluna no site da revista RG.



 

Você passou a integrar a diretoria da UBC em março. Por que decidiu aceitar o cargo?

O Marcelo Castelo Branco, que é o CEO da UBC e já foi meu diretor em gravadora, há 20 anos, na Universal, me convidou. Eu pensei um pouco porque é um trabalho burocrático, diferente das coisas que eu faço. São 35 mil associados, uma instituição seriíssima que tem como foco defender os direitos autorais. Logo que assumi, a pandemia chegou. Então, o Marcelo criou as lives com parceiros para ajudar a UBC e me chamou para apresentá-las. Foram arrecadados R$ 1,8 milhão que ajudaram mais de 1.100 associados. 


 

E como fica o tempo para a música, para sua carreira?

Minha carreira continua com meu programa de rádio, Chocolate Quente, na Eldorado FM, que é meu xodó, tem as lives, e, por conta, do meu engajamento nas redes - porque acho que a pandemia me deixou mais atenta para certas questões, sobretudo depois da morte do George Floyd - resolvi dar voz a quem não tem. Comecei a escrever no meu perfil no Instagram e o site da RG me convidou para ter uma coluna semanal. Então meu tempo está bem apertado. Mas são todos compromissos que eu acredito.


 

Você já foi vítima de racismo?

Já. Não existe um negro no Brasil que não tenha sido vítima de racismo. Com o fim da escravidão, não houve reparação. São quase 500 anos de uma posição muito ruim para nós, negros, no Brasil. Sem essa reparação, e quando falo dela me refiro às cotas e políticas públicas, não conseguimos dar passos maiores. Não é vitimismo, é realidade. 


 

A música popular brasileira é igualitária em gênero, raça e cor?

A música brasileira é popular, no sentido de ritmos que ganham mais espaço. É normal. Respeito todo mundo que faz música. Quando penso em mulheres negras que têm destaque, penso que a história vem se abrindo um pouco. Quando falamos de Ludmilla, Iza, Alcione, Karol Conka, Elza Soares... Estamos no processo. Tem uma nova geração maravilhosa que não posso deixar de falar, com Larissa Luz, Luedji Luna Majur, Liniker, Xênia França. Elas estão fazendo um supersom e criando um público. 


 

O que cada um pode fazer para diminuir a desigualdade racial no Brasil?

Em primeiro lugar, entender sobre privilégios. É importante não só reconhecê-los, mas abrir mão deles. Em segundo lugar, é entender que não existe meritocracia no Brasil. Fizeram a gente acreditar que se não conseguimos as coisas é porque éramos fracassados. Se eu estou em uma posição melhor e o outro não, não é porque ele é um preguiçoso. Ele precisa de espaço. Precisamos ter jornalistas, atores, juízes negros... E todo mundo tem que defender um negro que está sendo atacado por sua cor. Cor não é sinônimo de inferioridade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Chico Cesar: 'O que adianta ser um grande artista negro se a sua plateia é sempre branca?'

Chico Cesar fala sobre o reforço dos estereótipos por trás da valorização dos negros na música, diz da importância de se inverter o eixo que nos trouxe até aqui, o pensamento do homem branco, para o que seja ditado pela mulher negra, e que, no momento, o melhor que um artista branco e hétero tem a fazer é ouvir as vozes de quem foram silenciadas por tanto tempo

Julio Maria, O Estado de S.Paulo

17 de novembro de 2020 | 05h00

Cantor e compositor dos mais atuantes sobre os dilemas de seu tempo, com álbuns e canções pautadas por uma grande capacidade de estar no lugar do outro, aprendida em uma família paraibana negra e matriarcal de cinco irmãs, Chico César fala ao Estadão sobre sua crença nas mulheres negras. São elas que podem desfazer os nós do racismo. Quando ao lugar de fala mesmo dos artistas brancos no debate, ele diz: é o lugar da escuta.

Tantas discussões, debates, enfrentamentos e canções... Caminhamos alguma coisa nas questões raciais?

A presença da mulher negra está sendo definitiva no pensamento brasileiro sobre o racismo. Ela faz isso com mais força do que os homens ao trazer questões como o assédio, o estupro, o subemprego. As maiores respostas para as saídas desses dilemas estão sendo trazidas pelas mulheres negras.

A voz da mulher negra é mais forte do que a do homem negro?

Chegamos até esta situação porque estivemos pautados pelo contrário, o homem branco. Agora, precisamos colocar o espelho ao contrário. Sai o patriarcado branco, entra o matriarcado negro. Eu posso falar porque vim de uma casa com uma mãe e cinco irmãs, e sinto o quanto isso foi importante em minha visão de mundo.

Como sua mãe o influenciou?

Ela sempre dizia: mantenha sua cabeça erguida e não ande com brancos encrenqueiros. Quando ele fizer algo de errado, a polícia vai chegar e o único culpado será você.

Onde está o “lugar de fala” do artista branco. Muitos querem participar ao lado dos negros, sentindo suas dores, mas não fazem isso porque são acusados de se apropriar de um discurso que não seria legítimo pelo fato de suas peles serem claras.

Sinto que o melhor lugar de um homem hétero e branco, neste momento, seja o lugar de escuta. Artistas brancos precisam entender que durante muito tempo foram eles que fizeram as letras, as músicas e a arte enquanto os negros estiveram sendo silenciados. Mas penso também em Chico Buarque. Ele sempre terá um lugar de fala, como terão Fernanda Montenegro e tantos grandes artistas não negros do País. Chico falou do negro quando fez Pedro Pedreiro, Construção, Geni e outros personagens que certamente seriam negros na vida real. Eles podem falar sobre a periferia de forma que ela vá se identificar, mas é preciso, neste momento, estar mais atento para ouvir o que os negros têm a dizer. Quem já falou e cantou muito escuta um pouco agora. E, depois, traga essas vozes para junto de si.

Mas, além da escuta, não há uma posição no antirracismo?

Eu acredito que sim. Mandela tinha pessoas brancas a seu lado, havia muitos norte-americanos brancos nos protestos antirracistas. Mas é preciso saber que o protagonismo dessa luta é dos negros, assim como um homem nunca vai se tornar líder de um movimento feminista. E nós, negros, não podemos nos conformar em sermos os artistas de destaque, os esportistas de destaque, os músicos de renome. Queremos os cargos das empresas, ser médicos, professores, ministros da Fazenda.

A música é um dos poucos lugares onde os negros são vistos com superioridade por antecipação, sobretudo quando falamos de jazz, de blues e de samba. Podemos dizer que a música foi o único lugar onde o racismo não deu certo?

Eu sinto que essa ideia acaba reforçando estereótipos. Prefiro ver os negros cientistas, físicos, astrofísicos e pensar no geógrafo Milton Santos. Pensar no negro como o esportista, o músico, o percussionista é o mais fácil. Negros são seres complexos como os brancos que podem despontar em todas as frentes. O que adianta ser um grande jazzista negro se você só tocar para plateias brancas e, no intervalo dos shows, ser encaminhado para fumar na parte dos fundos de um clube de jazz? Em São Paulo, você sobe a Avenida Rebouças para entrar no Viaduto Noite Ilustrada. Muitos sabem que Noite Ilustrada foi um grande cantor negro (morto em 2003), mas quase ninguém sabe que Rebouças foi André Pinto Rebouças, um engenheiro baiano e negro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Afroturismo valoriza história e cultura negra

Roteiros afrocentrados resgatam legado no Brasil e no exterior. Em São Paulo, tour mostra um outro centro histórico; viagens internacionais apresentam a pluralidade cultural

Nathalia Molina, Especial para o Estado

16 de novembro de 2020 | 05h00

Ressignificar a dor em uma narrativa de superação e orgulho. Esse resgate da história e da cultura do povo negro se converte em uma viagem, possível para todos. O afroturismo vem se consolidando nos últimos dois anos no Brasil e se apresenta como uma forte tendência em tempos nos quais a importância das vidas negras entrou em pauta.

A próxima sexta é 20 de novembro, Dia da Consciência Negra. Em um País onde pretos e pardos representam mais da metade da população, conhecer o passado e valorizar a influência presente é uma boa forma de começar a explorar essa riqueza. “A gente acredita que, independentemente da cor, da raça e do credo, todo mundo tem a crescer quando se dispõe a conhecer a história e a cultura negra. Se você é branco, você é necessário”, afirma Bia Moremi, que criou a Brafrika no início de 2019.

“Nessas mudanças pelas quais o turismo vem passando, a experiência é uma demanda da sociedade, para além da fotografia nas viagens”, afirma Carlos Humberto da Silva Filho, um dos sócios da Diaspora.Black, empresa que atua como um marketplace de experiências e turismo negro. Pioneira nesse mercado, começou em 2017 como plataforma de hospedagem. “Acabamos pautando o mercado. Já existiam algumas iniciativas, mas esse turismo afrocentrado estava sob o guarda-chuva do étnico”, lembra.

Uma das primeiras experiências vendidas na Dispora.Black foi a Rota da Liberdade. Do Vale do Paraíba ao litoral de Paraty (RJ), passa por fazendas de café e comunidades quilombolas. “O Brasil tem uma diversidade de africanidades, que foram permeadas por indígenas e europeus. É um manancial cultural. Todos podem vivenciar isso.”

Até mesmo em viagens à África, já organizadas por empresas brasileiras como a Destino Afro. A incursão do fotógrafo César Fraga ao continente por 60 dias teve um motivo diferente: registrar a vida em nove países. O resultado: 4 mil imagens e o livro Do Outro Lado, primeira parte do trabalho que refaz as rotas do tráfico entre os séculos 16 e 19. “Gana é indicada para quem quiser fazer uma viagem encantadora pela origens do povo do Brasil. Moçambique é linda de doer e você vai ficar em hotel de charme. Benin é a coisa mais colorida do mundo.”

Sankofa, o nome do projeto, é inspirado no conceito africano que sugere um retorno ao passado para ressignificar o presente e construir o futuro.

Em busca da herança africana

A turismóloga Carina Santos embarcou para um mochilão em 2015. Um ano depois, o jornalista Guilherme Soares Dias se jogou em uma jornada por 25 países. Como muitos jovens que se aventuram pelo mundo, os dois voltaram transformados. Mas também com um peculiar estranhamento em comum: a sensação de ser o único negro nos lugares.

“Quando fui fazer mochilão, eu me inspirei em influenciadores, que eram pessoas brancas. Só que nenhum viajante que li me disse que eu poderia ser abordado no meio da rua pela polícia em Veneza, provavelmente porque isso não acontece com eles”, diz o jornalista, que na volta criou o Guia Negro, com dicas de restaurantes, serviços e passeios para esse público. Em 2018, ele fundou com Luciana Paulino a Black Bird, cujo principal produto é a Caminhada São Paulo Negra.

Em três horas de tour, da Liberdade à República, são vistos lugares como a Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Pretos e o antigo Pelourinho. “A gente apresenta a cidade para quem mora nela: 80% do nosso público é paulistano. Isso é poderoso. A pessoa passa todo dia no Anhangabaú e não sabe que era uma estrada de pessoas escravizadas. Vai à Liberdade e não sabe que o bairro tem esse nome por causa de um negro.”

No primeiro passeio após a pandemia, realizado em 20 de outubro, o grupo foi seguido e abordado por policiais. “A pessoa negra é olhada como o diferente, não é o padrão. Não entendem que pode ser um tour.”

Dias acredita que o setor de viagens irá se transformar assim como ocorreu com a indústria da estética, com produtos para cabelos de volumes diversos e peles de vários tons. “As pessoas negras estão querendo viajar dessa forma. Travel Noire e Black and Abroad são grandes agências internacionais desse movimento.”

Carina também retornou sentindo necessidade de fazer algo novo. Criou a Black Travelers em 2016 para mostrar a cultura negra do Brasil para estrangeiros – “meu público é majoritariamente americano”. Dois anos depois, em sua primeira viagem à África, em Moçambique, viu que o próximo passo era levar brasileiros para lá e para países da diáspora negra. “O primeiro pensamento de viagem para o exterior é projetado para Europa ou Estados Unidos porque várias agências oferecem isso”, diz. “A gente pensava que era muito difícil de ir para a África, mas não é.” O próximo grupo embarca em julho de 2021.

O passeio em São Paulo e o pacote para Moçambique são vendidos ainda pela Diaspora.Black, marketplace, que quase fechou com a crise da covid-19, mas que atingiu 700% de crescimento no últimos seis meses em comparação ao mesmo período de 2019. “Agora temos experiências afrocentradas online. Continuamos chegando às pessoas com os mesmos princípios, a partir da tecnologia promovendo a história e a cultura negra”, diz Silva, à frente da startup com três sócios, Antonio Pitta, André Ribeiro e Cintia Ramos. Em 9 de dezembro, começa o curso Percurso da Educação Antirracista no Brasil (R$ 100). Com cinco aulas ao vivo, é indicado para educadores.

Mas não abandonou os passeios presenciais. “Somos uma das empresas que são tendência no mercado, com o crescimento do turismo doméstico e de aluguel de propriedades para viajar em família”, diz, completando: “As agências convencionais insistem na história única.”

Diversidade entre países africanos

Há uma visão errônea de unidade quando se fala do continente africano. O escritor Maurício de Barros Castro conta que sabia dessa pluralidade, mas se surpreendeu com o que encontrou. “Esperava uma África diversa, mas não tinha a dimensão de que seria tanto. Angola, por exemplo, é muito mais ocidentalizada por causa da colonização portuguesa até meados dos anos 1970.”

Professor do Instituto de Artes da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), ele planeja publicar no fim do próximo ano um livro sobre as relações entre o samba brasileiros e a semba de Angola. “Desenvolvo pesquisas sobre arte e cultura no chamado Atlântico Negro, com ênfase na memória da escravidão, na música e nas artes visuais.”

São dele os textos do livro Do Outro Lado, com as imagens feitas por Fraga.Um pouco das histórias e das imagens estão na série Sankofa – A África Que Te Habita, de dez episódios. Com narração de Zezé Motta, estreou em maio no canal Prime Box Brazil.

“Sempre tive curiosidade de entender de onde vieram meus ancestrais. Da África aqui só chega problema. A Nigéria é um polo de cinema, produz muito e não vem nada”, afirma o fotógrafo brasileiro. “O meu papel é trazer referências para o povo negro do Brasil. Quero mostrar toda a riqueza africana.” Para isso, ele prepara mais três projetos: Sankofa (extensão da primeira viagem a mais cincos países), Brasil Negro (registro da maranhense Alcântara à gaúcha Jaguarão) e Somos Todos África (ida a 15 países das Américas que receberam escravizados).

Com roteiros formatados até 2022, quando prevê dez dias na Nigéria, Bia trabalha com saídas em grupo na Brafrika. Foca ainda em entretenimento e busca incluir eventos, caso do Afro Nation, festival de música em Portugal. “Fazer uma viagem com recorte de raça não quer dizer que não vai ter foto em frente à Torre Eiffel. Mas o walking tour por Paris vai visitar o Château Rouge, bairro com 90% da população africana. A gente também prefere contratar serviços de empreendedores negros.” Maceió com o Quilombo dos Palmares, por exemplo, inclui uma caminhada destacando pontos da história negra na capital e almoço de comida afrobrasileira em União dos Palmares.

Primeiro congresso de viajantes negros

Mochileira pelo Brasil de 2017 até o início da pandemia, Manoela Ramos conheceu quilombolas e foi abrigada gratuitamente na casa de muitas famílias negras pelo País. A experiência rendeu dois livros. Devido à repercussão do primeiro, Confissões de Viajante (Sem Grana), foi chamada para palestrar em eventos de turismo. “Estranhava porque não tinha praticamente negro. Não queria que fosse só eu contando histórias." Manoela teve, então, a ideia de fazer o I Congresso O Mundo é Nosso, encontro de viajantes negros para abordar as diferentes perspectivas do afroturismo. Em 20 de novembro, as 14 horas de conteúdo em vídeos serão liberadas e ficarão disponíveis por dez meses aos participantes (ingresso a R$ 53).

“Cresci em uma família que tinha consciência racial. Minha mãe é professora de História. Mas eu não tinha noção de como as tradições pretas existem em todos os lugares do País. No Amapá, pode ser marabaixo, carimbó no Pará, no Rio é jongo, na Bahia, samba de roda. O Brasil tem muita cultura negra e na viagem você vivencia isso.”

Quem leva e quanto custa

Os preços dos passeios e pacotes abaixo são por pessoa:

Black Bird: A Caminhada São Paulo Negra custa R$ 60 – próximas saídas em 20 e 21/11. Site: 

Brafrika: Na Páscoa, a viagem para Maceió com ida ao Quilombo dos Palmares (de 31/3 a 4/4/21) custa desde R$ 2.225,70 em quarto duplo, sem aéreo. Site: 

Destino Afro: O roteiro para Moçambique de 10 a 18/7/21 custa a partir de R$ 3.900 em quarto duplo (somente a parte terrestre). Instagram: .

Diaspora.Black: Em Salvador, tem dois roteiros disponíveis atualmente, ao preço de R$ 150 cada e com saídas sob demanda: o passeio pela tradicional Feira de São Joaquim e o Caminho de Oxalá (por casas de axé e museus). Site: diaspora.black.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.