O MPB-4 faz 35 anos de carreira

O MPB-4 está fazendo 35 anos de carreira. É - até prova em contrário - o grupo mais antigo do mundo a funcionar por tanto tempo, ininterruptamente, com a mesma formação dos primeiros dias. Está contratado por gravadora nova, Abril Music, para a qual acabou de gravar um disco interpretando autores da nova geração da música brasileira, de Zeca Baleiro a Lenine e Zélia Duncan. Recebeu promessa de, em futuro próximo, fazer novos discos, desta vez com músicas inéditas.Os trabalhos mais recentes do quarteto têm sido temáticos - cantando Milton Nascimento, por exemplo, ou se unindo ao Quarteto em Cy para interpretar Chico Buarque, Tom Jobim, Vinícius de Morais. O crudelíssimo e nada inteligente mercado fonográfico brasileiro prefere assim: jogar no certo, no consagrado, no já conhecido. Naturalmente, os rapazes do quarteto fazem discos formidáveis com esse material, ou seja, não se perde: ganha-se.Mas o grupo gosta de ousar, sempre gostou, andou sempre na linha de frente. Essa questão, porém, parece agora equacionada. E, enquanto isso, o MPB-4 prepara a festa de lançamendo do novo CD, que deve chegar às lojas no início do mês. Sim, haverá shows de lançamento.Para lembrar um pouco da história deles: os integrantes são Ruy Alexandre Faria, nascido em Cambuci, Aquiles Rique Reis, de Niterói; Milton Lima dos Santos Filho, de Campos; e Antônio José Waghabi Filho, de Itaocara - cidades todas do Estado do Rio. Ruy, Miltinho e Magro Waghabi faziam engenharia, Aquiles queria ser sociólogo.Até que se juntassem no formato que ainda hoje perdura, passaram por outros grupos, como seus integrantes contam na página ao lado. E a paixão de todos é o vocal - e, naqueles anos 60, a música era o principal tradutor dos anseios da juventude, sobretudo a universitária, que se batia por mudanças sociais (e na qual se bateria, e muito, depois do golpe militar de 1964).Num certo momento, chamavam-se Quarteto do CPC - sigla do Centro Popular de Cultura que havia nas universidades. O golpe de 1964 fechou a União Nacional do Estudantes (UNE), à qual os CPCs eram ligados, e o grupo precisou mudar de nome. Música popular brasileira, MPB. Quarteto - MPB-4.Diz-se que a sigla foi criada por eles (outra versão atribui a criação ao jornalista Sérgio Porto, ou Stanislaw Ponte Preta, como era seu pseudônimo). E que, portanto, todos deveriam pagar royalties pelo uso da sigla - mas é brincadeira. Mesmo que MPB tenha passado a significar o que significa só em 1965, Ari Barroso já tinha usado as três letras para falar de música popular brasileira - escrevendo na contracapa de um elepê de bossa nova.Grêmios e boates - As reuniões do quarteto, inicialmente davam-se nos grêmios estudantis, em clubes e boates. A fórmula não poderia ser mais simples: o violão de Miltinho, a percussão grave de Magro, uma eventual percussão mais aguda de Aquiles, às vezes de Ruy - que sempre foi o principal solista vocal.Cada um por si, eles eram bons cantores. Juntos, eram - como são - formidáveis. Não existiu, na música brasileira, outro grupo em que o entrosamento vocal fosse tão perfeito - eles nasceram para cantar juntos. Havia Os Cariocas, de sotaque mais jazzístico; houve, depois, o Boca Livre, de vida mais curta, ótimo, também. Só que nenhum chegou perto da perfeita combinação do MPB-4. Bem, há o Quarteto em Cy. Mas estamos falando de vozes masculinas.E se tudo funciona às mil maravilhas quando abrem acordes a quatro vozes, ou como quando as combinam num arranjo circular como o que Magro escreveu para Roda Viva, de Chico Buarque, uma concepção vocal insuperada quase 30 anos depois, eles conseguem produzir um uníssono impecável - quem canta sabe que nada é mais difícil para um grupo vocal do que chegar à solução do uníssono.A vida acenava, as faculdades iam ficando para lá. Numas férias, em 1965, o MPB-4 veio a São Paulo. Fez a verdadeira estréia profissional no Teatro da Pontifícia Universidade Católica, o Tuca. Chegaram aqui em julho. Encontraram o produtor Chico de Assis, que os convidou para uma temporada com o Quarteto em Cy (que já era profissional). Mas Chico de Assis advertiu: ou eles largavam as faculdades e levavam a música a sério ou voltavam para Niterói e iam cuidar das vidas universitárias. Para as duas coisas, não haveria tempo.Eles se reuniram para discutir o futuro. Sentaram-se no Bar Redondo, que ainda existe, embora sem a graça que já teve, tomaram a necessária quantidade de chopes e mandaram a faculdade às favas - curioso é que Aquiles era, naquela época, menor de idade. Ruy era responsável por ele.Na televisão - Chico de Assis também os levou a Manoel Carlos, que era um dos diretores do Fino da Bossa, programa da TV Record cuja principal atração era Elis Regina. Logo na estréia do Fino, cantaram com ela. Aí a coisa não parou mais - embora, no início, os apresentadores dos programas ficassem confusos com aquela sigla que batizava os meninos - saía MPM-4, PPM-4. "A turma não entendia, os jornais publicavam barbaridades e os jornalistas perguntavam quantos nós éramos", lembra Ruy.Foi ainda Chico de Assis que apresentou o quarteto a um jovem compositor, estudante de arquitetura, carioca, mas morando em São Paulo - Chico Buarque de Holanda. "A apresentação foi assim: ´Esses são os rapazes do MPB-4 e este é o autor do Samba do Padre´", lembra Magro. O tal Samba do Padre era Olê, Olá, por causa dos versos: "Seu padre, toca o sino, que é pra todo mundo saber, que a noite é criança, que o samba é menino..."O quinto MPB-4 - Nos anos seguintes - de 1969 a 1974 -, Chico Buarque foi quase um quinto MPB-4. Cantavam todos no mesmo microfone. Juntos eles rodaram o mundo e influenciaram muito a juventude brasileira. O quarteto lançava seus discos pela gravadora Elenco (o Chico Buarque era de outra). Elenco, um bom nome: estavam lá, começando, Edu Lobo, Sérgio Ricardo, Tamba Trio, a turma da bossa nova...O que não os impediu de aparecer no programa Jovem Guarda, de Roberto Carlos, algumas vezes.Ao longo dos 35 anos de vida profissional, o grupo criou estilo, ditou moda, formulou padrões. Reinventou o vocal para a música brasileira - não havia jazz, na música deles, mas samba mesmo, e choros e valsas e canções. Montaram espetáculos memoráveis, com textos de Millôr Fernandes, Ziraldo, Aldir Blanc; ajudaram a consolidar as carreiras de grandes compositores e são referência para música de qualidade. Continuam sendo. Seu novo disco, com repertório de compositores da nova safra, só o confirma. E para a festa dos 35 anos, quando o CD estiver nas ruas, a MPB - ou seja lá como se queira chamar a música brasileira, hoje que esse rótulo perdeu um tanto do sentido - estará toda em festa, desejando pelo menos outros 35 anos para os bravos meninos que tanto a dignificaram e dignificam.

Agencia Estado,

27 de dezembro de 2000 | 18h15

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.