O maestro Francis Hime, à frente da Jazz Sinfônica

Assistir à Orquestra Jazz Sinfônicaacompanhada de um convidado de outro universo musical é sempreuma experiência única. Há algum tempo, a orquestra desenvolve umprojeto interessante de se unir a artistas da MPB no palco.Nesta quarta-feira, às 21 horas, no Memorial da América Latina, a sérieJazz + receberá o compositor, músico e regente Francis Hime.Para muitos, Hime é mais conhecido como compositor importante dahistória da música brasileira, sobretudo a partir dos anos 70,do que propriamente como maestro. Pois o que se verá no palco do Memorial é o regenteFrancis Hime em ação, à frente da orquestra. Uma oportunidaderara. O músico conta que é a primeira vez que assume umaregência diante do público paulistano. Nunca havia feito issoantes em São Paulo, por pura falta de oportunidade. É um ladoseu que gosta de exercitar. "É bom, porque é um trabalhocoletivo. Muitas vezes, toco sozinho, mas me sinto realizado aolado de companhia", afirma. Dentro do programa do espetáculo, ele rege a Sinfonia doRio de Janeiro de São Sebastião, que estreou em 2000, no TeatroMunicipal do Rio, e ganhou ainda registro em CD e DVD(lançamento da Biscoito Fino, em 2002). Até hoje só foi vista emalgumas poucas exibições no Rio e uma vez em Paris. "Esta é aquarta apresentação desta sinfonia, inédita em São Paulo",comenta. A "Sinfonia do Rio de Janeiro de São Sebastião" é umaode à Cidade Maravilhosa, suas belezas naturais e sua múltiplamusicalidade. Nela, a música de Hime encontra parceria na boapoesia de Geraldinho Carneiro e Paulo César Pinheiro. SegundoHime, a idéia dessa sinfonia partiu de Ricardo Cravo Albin, umestudioso da música popular brasileira. Albin ficou responsávelpelo roteiro dela. "Ele deu toda a estrutura", conta o músicoque, a convite de Albin, se embrenhou no projeto. É estruturada em uma abertura e cinco movimentos, que,juntos, compõem o cenário e a musicalidade carioca. O primeiromovimento traz o lundu do Rio Colonial; o segundo, a modinha doImpério; o terceiro, o choro da 1.ª República; o quarto, o Rio ea época de ouro do samba; e o quinto, o Rio contemporâneo dacanção brasileira, da bossa nova até os dias de hoje. Originalmente, os movimentos vinham com acompanhamentovocal de Lenine, Zé Renato, Olivia Hime, Leila Pinheiro e SergioSantos. Para o espetáculo de amanhã, a interpretação fica acargo dos solistas Adriana Mezzadri, Ana Luiza, Edson Montenegroe Rubinho Ribeiro. Hime já tinha ouvido falar de Ana Luiza, masnão conhecia os demais cantores. Conheceu o trabalho delesdurante os ensaios e diz ter se impressionado. Todos cantarãojuntos na abertura da sinfonia. "É quando eu faço um apanhado detodos os ritmos", antecipa ele. "Fico feliz de encontrar essaspessoas e a Jazz Sinfônica possui um formato que tem a ver com aorquestração que escrevi para a sinfonia." Acostumado a reger orquestras tradicionais, é a primeiravez também que Francis Hime faz parceria com a Jazz Sinfônica.Para ele, a Jazz tem uma característica própria dessa mistura,que vem ao encontro da diversidade musical do Brasil. "Sintotambém que esses espetáculos que unem música erudita comorquestras menos convencionais fazem a alegria dos músicos, quetêm contato com a coisa mais popular." O programa da noite inclui ainda uma homenagem à obra deFrancis Hime, na peça "Meu Caro Amigo Francis", de MarceloGhelfi, que faz um apanhado de sua carreira, com temas do Himecompositor, como "Vai Passar" e "Trocando em Miúdos", entreoutras canções. "Vai ser uma peça também cantada", diz Hime. Há outros bons momentos, como a suíte para orquestra"Atrás da Porta", de Chico Buarque, com arranjo e interpretaçãode Fernando Corrêa na guitarra. Arranjo bonito, garantenovamente Hime. Além de "Choro Turco", fantasia de Cyro Pereira,inspirada no tema "Marcha Turca", de Mozart, na abertura doconcerto. A apresentação será transmitida ao vivo pela RádioCultura AM 1200 e FM 103,3.Orquestra Jazz Sinfônica e Francis Hime. Memorial da AméricaLatina/Auditório Simon Bolívar (1.609 lug.). Rua Auro Soares deMoura Andrade, 664, metrô Barra Funda, (11) 3823-4768. Amanhã,21 h. R$ 30

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.