O cantor Belo já pode passar o dia fora da cadeia

Condenado a seis anos de prisão pelo crime de associação para o tráfico de drogas, o cantor Belo, que está preso há um ano e meio, tem permissão, desde ontem, para passar o dia fora da cadeia, trabalhando. Ele tem de retornar à unidade prisional somente à noite. O cantor, que passou do regime fechado para o semi-aberto, teve autorização do juiz da Vara de Execuções Penais, Carlos Augusto Borges. A advogada de Belo, Sandra Almeida, que acompanha seu caso desde dezembro, informou que o cantor se tornou diretor operacional da Associação de Músicos, Arranjadores e Regentes (Amar) do Rio. Suas atribuições seriam, de acordo com ela, lidar com gravações de músicas. O salário seria de R$ 2.800. Mas a entidade negou a informação. "Houve algum engano. Ele não está trabalhando aqui", afirmou, à tarde, uma funcionária que se identificou como Glaucenir. A moça disse que sequer existe estúdio de gravação na associação. A advogada confirmou a contratação: "Belo está lá. Vai ver eles não estão querendo divulgar para as pessoas não ficarem ligando, incomodando". O pagodeiro deixou o presídio Ary Franco, na zona norte do Rio, de manhã, rumo ao Centro de Observação e Reintegração Social Roberto Lyra, na região central da cidade. É lá que ele cumprirá o restante de sua pena. O cantor pode sair do centro de segunda a sexta-feira, às 7 horas, e tem de voltar até as 20 horas. O trabalho será das 9 às 18 horas. O cantor não terá permissão para visitar sua residência - fins de semana e feriados deverão ser passados na cadeia. Ele não planeja fazer shows neste primeiro momento, mas quer compor novas músicas. O cantor deve dar uma entrevista coletiva até o fim da semana, disse a advogada. Belo foi condenado pela 34.ª Vara Criminal do Rio em dezembro de 2003. Conversas comprometedoras entre o cantor e o traficante Waldir Ferreira, o Vado, ex-gerente do tráfico na Favela do Jacarezinho, foram gravadas. Belo aparece oferecendo dinheiro em troca de "tecido fino" e de "tênis AR´", o que significa cocaína e fuzil AR-15, respectivamente, segundo a polícia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.