Divulgação
Divulgação

'O AC/DC era bem melhor com Bon Scott nos vocais', diz biógrafo

Nova biografia da banda revela histórias obscuras dos australianos

João Paulo Carvalho, O Estado de S. Paulo

15 de julho de 2015 | 03h00

O ano de 2014 poderia ter sido trágico para o AC/DC. Uma das bandas mais bem-sucedidas da história do rock anunciava que o guitarrista Malcolm Young estava deixando o grupo por tempo indeterminado. Muito se especulou sobre o motivo do afastamento, mas, em setembro, veio a explicação: o australiano apresentava um quadro de demência, o que fazia com que ele tivesse perda total da memória. “Malcolm está sofrendo e sua família agradece muito por respeitarem sua privacidade”, dizia o conciso comunicado. O músico está internado em uma casa de repouso, em Sydney.

Depois de 40 anos de estrada e mais de 200 milhões de álbuns vendidos em todo o mundo, seria este o fim do AC/DC? Não. Não para uma banda que já havia “ressuscitado das cinzas” por inúmeras vezes e superado até mesmo a morte de seu integrante mais icônico, o vocalista Bon Scott, em 1980. Sendo assim, Steve Young, sobrinho de Malcolm e Angus, substituiu o tio no comando das guitarras e o resultado surgiu de forma explosiva. O disco Rock or Bust, lançado em dezembro, mostrou que a força do grupo australiano continua intacta. 

“Superação: esta é a palavra que melhor define a trajetória do AC/DC. A banda mudou minha vida e me ensinou a dar a volta por cima em relação a muitas coisas”, diz o jornalista britânico Jesse Fink, autor do livro Os Youngs – Os Irmãos Que Criaram o AC/DC, nova biografia da banda, que chega neste mês às livrarias. O lançamento oficial será nesta quarta, 15, a partir das 19h, na Livraria Cultura do Shopping Bourbon. 

“Lembro que após um divórcio mal esclarecido, costumava ficar horas acordado, às vezes até as 4 h. Ainda amava minha ex-mulher, mas não podia estar com ela. Foi então que resolvi ouvir AC/DC. A música que escolhi naquela noite não foi Back in Black ou Highway To Hell, mas Gimme a Bullet, do disco Powerage (1978). Aquilo entrou na minha mente de uma forma tão louca. O tom potente, a energia crescente. O AC/DC pode reivindicar o título de maior banda de rock de todos os tempos”, complementa o autor. Os Youngs conta a trajetória da banda desde a sua fundação, nos anos 1970, até o estrelato. O foco da nova biografia, entretanto, é a família Young: Malcolm, Angus e George, os três irmãos.

Menos conhecido do grande público, George Young tem uma importância crucial na história do AC/DC. Ex-integrante da banda australiana The Easybeats, ele co-produziu dois discos do conjunto: High Voltage (1975) e Powerage (1978), ainda com Bom Scott nos vocais. George, que posteriormente também produziu o disco Stiff Upper Lip (2000), já com Brian Johnson à frente da banda, tocou como baixista do AC/DC por um período relativamente curto, no início de sua carreira. "George foi fundamental para o grupo. Ele soube dar as diretrizes para o AC/DC. Sem ele a banda simplesmente não existiria. George é um compositor exímio, ele foi o John Lennon dos Easybeats George foi o responsável por gerenciar a carreira Malcolm e Angus. Ele ajudou o AC/DC a se tornar um gigante da música", afirma Jesse. 

A obra também traz algumas histórias obscuras da banda, como uma suposta overdose de heroína de Bon Scott nos anos 1970 (e de como os irmãos Young quase o demitiram da banda, por isso), passando pela revelação de que o baterista do primeiro hit do grupo, High Voltage, era, na verdade, um italiano chamado Tony Currenti, dono de uma pizzaria, e não Phil Rudd.

Jesse considera muito difícil que Malcolm volte a tocar com o AC/DC. “Ele está com uma doença degenerativa e, pelo que ouvi de pessoas mais próximas, dificilmente vai voltar à ativa. Sei que os fãs não querem ouvir isso, mas o mais importante é deixarmos Malcolm em paz e esperar que ele possa se recuperar”, conclui.

O autor também não esconde sua preferência por Bon Scott. Para ele, o ex-vocalista é infinitamente superior a Brian Johnson, que entrou na banda logo após a morte de Bon e gravou um dos melhores trabalhos da banda, Back in Black. “Bon Scott foi o melhor vocalista do AC/DC e suas letras não podem ser comparadas às atuais. Seu vocal era muito superior ao de Johnson. Ele era incomparável ao vivo. Os discos que ele fez com AC/DC nos anos 70 são os melhores do grupo, embora eu ame o Back in Black. Não sou fã do Brian Johnson e não me desculpo por isso”, acrescenta.

OS YOUNGS - OS IRMÃOS QUE CRIARAM O AC/DC

Tradução: Marcelo Hauk

Editora: Gutenberg (272 págs.,R$ 49,90)

Lançamento: 4ª (15), 19 h, Shopping Bourbon (Rua Turiassu, 2.100) 

Highway to Hell

You Shook Me All Night Long

 

Hells Bells

T.N.T.

 

Let There Be Rock

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.