"Nunca fui um guitarrista excepcional", dizia Harrison

Leia a seguir trecho da antologia The Beatles (Cosac & Naify, 367 págs.), em que o guitarrista George Harrison, morto em Los Angeles aos 58 anos, avalia seu talento e comenta seu interesse pelo instrumento."Nunca fui um guitarrista excepcional, sempre havia um melhor. Tinha um cara que ia para a escola comigo e com Paul que acabou no The Remo Four - Colin Manley. Era um desses caras que conseguia copiar Chet Atkins quando estava tocando duas músicas ao mesmo tempo. Eu nunca tive paciência. Só Deus sabe como me dedicava. Costumava praticar como uma criança, mas não conseguia ficar sentado ali para sempre, não era assim tão entusiasmado.A minha primeira namorada era a irmã de rory Storm, Iris Caldwell. Era muito bonita e usava enchimento no sutiã. (Ela provavelmente nunca achou que era minha namorada. Quando se é muito garoto, nunca se sabe; simplesmente fantasiamos alguém, ou alguém está no mesmo quarto e você acaba pensando que é sua namorada.) Assim, conheci Rory antes de conhecer os Beatles. Eu me encontrei com Iris umas duas vezes, fui à sua casa. Eles tinham um pequeno porão que estavam tentando transformar num café. Essa foi uma febre dos anos 50. Rory era atleta. Lembro de algumas vezes em que fui me encontrar com Iris e Rory chegou correndo, suando e ofegando, verificando o cronômetro, porque tinha estado treinando. (...)A mãe de John lhe ensinara alguns acordes. A sua era uma guitarra barata, com somente quatro cordas. John nem mesmo sabia que guitarras tinham seis cordas. Ele tocava acordes de banjo: acordes extremamente abertos. Eu falei: ´O que é isso?´. Ele achava que era para ser daquela maneira."The Beatles; Antologia, Cosac & Naify. 367 páginas, R$ 149,00.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.