Novos CDs trazem mix de John Lennon

John Lennon é lembrado por seusmanifestos pacifistas e sonhadores: Imagine, Happy Xmas (WarIs Over), Give Peace a Chance. Nem precisa medir o nível debanalização a que estas canções foram submetidas nestas duasdécadas e meia. Aí estão todas novamente reunidas na coletânea Working Class Hero - TheDefinitive Lennon, com dois CDs. A gravadora EMI tambémaproveita a efeméride dos 25 anos da morte do ex-Beatle pararelançar Some Time in New York City (1972) e Walls and Bridges (1974), ambos com faixas-bônus. Compilações em geral não são muito bem-vindas. Porém, hácasos em que uma delas, bem montada como esta de Lennon, basta.Em carreira-solo ele fez poucosálbuns dignos de figurarem entre clássicos como JohnLennon/Plastic Ono Band (1970) e Imagine (1971), mas isto nãoimporta tanto. Àqueles dois grandes álbuns se seguiram o bom Some Timein New York City e os fracos Mind Games (1973) e Walls andBridges (1974). Na seqüência, Lennon voltou às bases roqueirasem Rock´n´Roll (1975), homenageando seus inspiradores, e tevea carreira rompida no momento em que dava sinais de cansaço daluta e se refugiava mais do que nunca no colo de Yoko Ono.Double Fantasy (1980) transborda romantismo meloso. Osprimeiros, ao lado de Yoko, ainda na era Beatles, nem contam,principalmente porque quase ninguém conhece. Quando George Harrison lançou My Sweet Lord em 1971,ficou evidente sua semelhança com He´s so Fine, hit do girlgroup The Chiffons, de 1963, o que lhe rendeu processo eindenização por plágio, ainda que involuntário. É curioso quepoucos tenham levantado as mesmas suspeitas em relação a HappyXmas, de Lennon, já que é idêntica a Stewball, canção folkpopularizada pelo trio Peter, Paul & Mary, também em 1963. Enfim a coletânea Working Class Hero tem faixas mais interessantes,como a que lhe dá título e talvez seja a melhor canção deprotesto de Lennon. Já quase tudo o que teoricamente interessa de Walls andBridges também está na compilação: o hit dançante WhateverGets You Through the Night, que tem participação de Elton Johnno piano e nos vocais, Nobody Loves You (When You´re Down andOut) e a densa e bonita # 9 Dream. No mais, há boascuriosidades, como Old Dirt Road e a suingada What You Got,de notável influência soul. Lançado originalmente como álbum duplo, inclusive em CD,Some Time in New York City sai agora em versão simples.Engajado do começo ao fim (a capa é uma imitação irônica dojornal The New York Times), o álbum tem canções de letrascontundentes, como a feminista Woman Is the Nigger of the World Angela (contra a prisão da ativista negra Angela Davis) eSunday Bloody Sunday, sobre o massacre de civis ocorrido em1972 na Irlanda do Norte (episódio que o U2 viria a abordar emcanção com o mesmo nome no disco War, de 1983). Comodesmembramento do tema, a histórica opressão dos ingleses sobreos irlandeses inspira a faixa seguinte, a bela The Luck of theIrish. A segunda parte do álbum (aqui em versão editada porYoko, com duas faixas a menos) é mais experimental do que aprimeira. São longas sessões de improvisos de Lennon com FrankZappa, guitarras distorcidas e uivos pungentes da viúva. Nolugar das duas que cortou, Yoko incluiu Listen the Snow IsFalling, que ela mesma compôs e canta, e sua parceria com omarido Happy Xmas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.