Norah Jones é a grande vencedora do Grammy

Norah Jones é a grande vencedora da 45 ª edição do Grammy Awards, prêmio máximo da música pop mundial. Seu disco Come Away With Me venceu o Grammy de disco do ano, o mais importante da noite. Além dele, a cantora levou para casa os Grammys de revelação do ano, álbum pop vocal, também por Come Away With With Me, música do ano e gravação do ano, por Don?t Know Why. Esta mesma música rendeu ao compositor Jesse Harris o prêmio de autor do ano. E o disco de Norah ainda recebeu Grammys em duas categorias técnicas: de melhor engenharia de som e melhor produção. No total, Norah Jones e sua equipe foram agraciados com oito Grammys. As vitórias que Norah Jones ia colhendo categoria após categoria na noite deste domingo jogaram água no chope de Bruce Springsteen. O veterano do rock americano tinha cinco indicações, inclusive para disco do ano, mas ficou com três: ganhou em melhor álbum de rock, por The Rising, melhor vocal masculino e melhor canção de rock, pela canção título do disco premiado. A expectativa sobre Springsteen era grande, pois The Rising conquistou parte do público por ser inspirado nos ataques terroristas de 11 de setembro de 2001. O apelo emocional parece ter rendido apenas a chance de se apresentar duas vezes no palco do Madison Square Garden, a última para o tributo a Joe Strummer, do The Clash, que morreu no ano passado. Outro queridinho de parte dos Estados Unidos que ficou à margem do Grammy 2003 foi o rapper Eminem. Seu disco The Eminem Show levou o Grammy de melhor álbum de rap. Também ficou com o de melhor vídeo de curto formato, por Without Me. E foi só. Também concorria à categoria de disco do ano, mas Norah Jones o deixou para trás. O trio de meninas texanas Dixie Chicks passou pelo mesmo que Eminem: venceu o Grammy de melhor disco country, melhor ?recording package? e melhor performance country por duo ou grupo com vocal. Mas perdeu o prêmio de disco do ano para Norah. O outro concorrente que Norah Jones derrotou foi o rapper Nelly. Os ingleses do Coldplay ganharam os Grammys de melhor disco de música alternativa, por A Rush of Blood to the Head, e melhor performance de rock em duo ou grupo com vocal, por In My Place. O rapper Nelly também levou dois Grammys, por melhor performance masculina de rap, em Hot in Herre, e melhor colaboração de rap, com Kelly Rowland, em Dilemma. India.Arie, que ano passado foi indicada a sete Grammys mas não levou nenhum, também ficou com dois: melhor disco de Rythim and Blues, por Voyage to India, e performance urbana alternativa, por Little Things.No que sobrou de prêmios notáveis, a cerimônia do 45º Grammy foi menos concentrada. O No Doubt recebeu o prêmio de melhor performance de banda, por Hey Baby. John Mayer ficou com o Grammy de melhor performance pop por Your Body Is a Wonderland. O Foo Fighters levou o prêmio de melhor performance de hard rock, por All My Life. Robin Williams, o ator, também ganhou um Grammy, o de melhor disco de humor. A melhor trilha sonora para cinema ou TV ficou com O Senhor dos Anéis ? A Sociedade do Anel.Cerimônia volta a NY - Depois de cinco anos, a cerimônia do Grammy voltou a Nova York. Antes da entrega do último prêmio da noite a Norah Jones, o prefeito da cidade, Michael Bloomberg, subiu ao palco para agradecer. E de fato, a cerimônia teve fortes tons nova-iorquinos. A começar pela reunião de Paul Simon e Art Garfunkel, dois ícones da música americana, autores de clássicos definitivos. Separados desde os anos 70, eles abriram a noite com uma interpretação simples, mas cativante, de The Sounds of Silence, um de seus muitos hits que embalaram multidões de americanos. Simon e Garfunkel são nascidos no Queens, cantaram Nova York mais de uma vez em suas músicas e fizeram pelo menos um show histórico no Central Park, que foi gravado e virou álbum duplo. Com eles, veio também um toque nostálgico, que ficou reforçado pelas homenagens pelo conjunto da obra de Johnny Mathis e do Bee Gees, em razão da morte de Maurice Gibb no ano passado.Clique aqui para conhecer algumas das músicas de Norah Jones, incluindo a premiada Don´t Know Why

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.