Noite de desafio entre violões e guitarras

Hoje é dia de duelo no palco: de um lado, as guitarras roqueiras de Edgard Scandurra (Ira!) e Andreas Kisser (Sepultura). Do outro, os violões do brasileiro Victor Biglione e do inglês Andy Summers, o lendário guitarrista do The Police. Há quem diga que ocorra um fenômeno quando as cordas de aço do brasileiro Victor Biglione se cruzam com as cordas de aço do inglês Andy Summers. "São dois violões que, na verdade, parecem um. Quem ouve o disco, muitas vezes, não percebe que são duas pessoas tocando", diz Biglione. Andy Summers fez história como guitarrista do extinto grupo The Police. Na noite de hoje, no Via Funchal, ele fará o lançamento do disco Splendid Brasil, gravado com o companheiro brasileiro, em uma noite batizada como 2º Guitar Night. Summers e Biglione mostrarão temas da música brasileira como Retrato em Branco e Preto(Tom Jobim e Chico Buarque) e As Rosas Não Falam (Cartola) só ao violão. Na seqüência, se apresentarão o guitarrista Andreas Kisser, do Sepultura, e Edgard Scandurra, do Ira!, em um show que traz em seus anúncios publicitários a frase "o melhor dos anos 80". Summers se tornou um fã instantâneo do violonista brasileiro Luiz Bonfá ao ver no cinema o filme Orfeu no Carnaval (1959), de Marcel Camus. "Fiquei maravilhado com o que vi. Sobre rock daqui não conheço muito, mas sinto que pode ter usado muitas influências dos Estados Unidos e da Inglaterra." Só um importante aviso aos fãs do Police, trio que Summers integrava ao lado do baterista Stewart Copeland e do vocalista e baixista Sting nos anos 80: nada no show de hoje lembrará os anos dourados da banda. "O que importa é a carreira e a música que fizemos. Mas penso que temos de olhar para frente." Se insistem no assunto, Summers se altera: "É muito chato ter que ficar falando do passado." A noite tem um formato curioso. Quem teoricamente abriria o show, a dupla Scandurra e Kisser, se apresentará depois do duo Summers e Biglione. Isso porque os brasileiros farão um show mais pesado e roqueiro, que integram um projeto paralelo chamado Brasil Rock Stars. O desafio para os violões será grande. Afinal, diante de um público ávido pelo peso de Kisser ou com os hits do Police na mente, como fazer com que contenham os ânimos? "Vamos tentar vencer essa missão, tentar prender a atenção do público só com dois violões", diz Biglione. Andy Summers já veio ao Brasil nove ou dez vezes. "Não sei ao certo", diz. Conheceu Biglione em 1997 por meio de um produtor que sugeriu um trabalho entre os dois. Um ano depois lançou o álbum Strings Of Desire, que já trazia músicas brasileiras. 2.º Guitar Night. Hoje, às 21h30. Via Funchal (Rua Funchal, 65. Tel. 3038-6698) Ingressos: R$ 30 a R$ 90

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.