Sarah Yáñez-Richards/EFE
Sarah Yáñez-Richards/EFE

No Uruguai, Roger Waters diz que é grande admirador de Mujica e das políticas do país

Depois de passar pelo Brasil, onde protestou contra o então candidato Jair Bolsonaro, Roger Waters foi homenageado no Uruguai e disse: 'Temos que aprender a atuar como uma comunidade global de seres humanos'

EFE

02 Novembro 2018 | 21h15

O cantor e ativista inglês Roger Waters, que foi nomeado nesta sexta, 2, visitante ilustre de Montevideo, se declarou um admirador do ex-presidente José Mujica, que governou entre 2010 e 2015, e das políticas econômicas uruguaias.

"É maravilhoso estar aqui em Montevideo porque o Uruguai tem muito valor para o resto dos cidadãos do mundo", declarou ele que foi um dos fundadores do Pink Floyd. Ele faz seu primeiro show no país neste sábado, 3.

Waters disse que mesmo com uma pequena população (cerca de 3,3 milhões de habitantes), a nação é "enorme em termos da influência que tem".

"Agradeço a 'Pepe' Mujica, entre outros, por ter tido a inteligência e o coração para mostrar que há outros caminhos", disse o o músico de 75 anos, que explicou que a outra via a que se refere é a da "comunidade".

"Temos que aprender a atuar como uma comunidade global de seres humanos", assinalou e ressaltou que no dito coletivo todos deveriam ser iguais perante as leis internacionais de direitos humanos e que deveríamos reduzir a "horrorosa" desigualdade entre os "imensamente ricos e o resto dos seres humanos".

Por último, disse que o Uruguai havia sido capaz de "rechaçar as políticas neoliberais que se espalharam por quase todo o mundo ocidental".

Além da homenagem recebida nesta sexta, o músico particia de um evento chamado Palestina e Os Direitos Humanos, na sede da central sindical uruguaia, a PIT-CNT.

Mais conteúdo sobre:
José MujicaRoger Watersmúsica

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.