Serjão Carvalho/Estadão
Serjão Carvalho/Estadão

No Tomorrowland, há quem abra mão do banho para economizar dinheiro

No espaço do acampamento, 4 minutos de ducha saem por R$ 16; segundo dia do festival atraiu 60 mil pessoas

João Paulo Carvalho, O Estado de S. Paulo

02 Maio 2015 | 17h01

Atualizado às 20h20

Embora todos os banheiros do chamado Dreamville,o acampamento do Tomorrowland, sejam equipados com duchas, o banho parece seralgo distante pelo menos para algumas pessoas que vieram com o dinheiro contadopara se divertir no festival de música eletrônica realizado em Itu, no interiorde São Paulo. O evento teve início na sexta-feira, 1.º, e se estende até este domingo, 3. "Moço, não dá para gastar grana com essas coisas, tudo aquié tão caro. Preciso comer, não é?", afirmou a vendedora Jaqueline Almeida, de 22 anos. A jovem, que chegou ao Parque Maeda na tarde de sexta-feira, 1°,e vai ficar até domingo, 3, trouxe lenços umedecidos para amenizar a "falta de água". "É o jeito. Não tem muito o que fazer. Festivalé assim mesmo", conclui.

Os mineiros Jaime Murilo, de 21, e Luisa Andrade, de 20, estão em Itu desde quinta-feira, 30. Ambos tomaram apenas 1 banho desdeentão. "O único problema do festival até aqui é o preço das coisas. Estátudo muito caro, incluindo a ducha. Não dá para pagar R$ 16 em um banho de 4minutos. Foi só uma vez e olhe lá", brinca Luisa. Os jovens chegaram atrazer comida de casa para economizar. Biscoito de polvilho, torradas,salgadinhos e até pasta de amendoim vieram amassados na gigantesca mochila. "Jácomemos tudo. Hoje não vai ter jeito, entretanto. Teremos de comprar comida.Entre o banho e a barriga cheia, a gente prefere o estômago forrado",afirma Jaime.

Arthur Alves de Oliveira, de 21, veio da cidade deHelena, em Goiás, e ficou amigo de Jaime e Luisa no Dreamville. As barracas deles eram vizinhas. "Na falta de verba, a gente divide algumas coisas,incluindo comida. Acho que essa é a graça do festival: o compartilhar. É semprebom conhecer gente nova e dividir experiências", diz o estudante. 

Ainda que o banho não seja unanimidade entre opúblico que está acampado no Dreamville, há quem não concorde com a falta dehigiene do público mais descolado. É o caso da estudante de Engenharia Civil,Djuna Priscila, de 25. Acriana, a jovem, que mora em Curitiba, no Paraná, há 7anos, afirma que não dá para abrir mão de uma ducha para renovar as energias eencarar um novo dia.

"Acho que dá para reservar um dinheirinhopara isso, sim. Basta se organizar melhor", crava. Priscila veio deCuritiba com o irmão para curtir o festival em Itu no final de semana."Ainda não deu tempo de conferir tudo, mas a infraestrutura é de primeiralinha. A organização é diferente de qualquer outro festival. A gente (eu e meuirmão) já tínhamos ouvido falar. O Tomorrowland é muito famoso na Europa,principalmente na Bélgica. Como não dá para ir para lá, resolvemos experimentaro do Brasil", diz.

Outras atrações. Sungas, biquínis e muita azaração: este era o clima dapiscina do Tomorrowland Brasil no início da tarde de ontem em Itu, no interiorde São Paulo. Com uma temperatura agradável, muitos fãs que vieram ao segundodia do festival de música eletrônica aproveitaram para se refrescar no espaço.O local faz parte da ação de marketing de uma operadora de cartões. 

O paraibano Jefferson da Cunha Medeiros, de 25,elogiou a iniciativa. "É ótimo ter uma piscina. A gente pode dar ummergulho e voltar para dançar", afirmou o administrador de empresas. Oestudante de Rádio e TV Elias Campos Jaqui, de 21, também aprovou a novidade."Nunca vi nada parecido. O Wi-Fi funciona legal. Dá para curtir a água eainda ficar ligado nas redes sociais", disse. Por volta das 16h, ofluxo aumentou e alguns seguranças extras foram colocados no local paracontrolar a entrada e a saída das pessoas. 

 Mais de 60 mil pessoas compareceram ao FestivalTomorrowland na tarde deste sábado, 2, de acordo com a organização do evento. Naparte musical, o destaque foi o DJ norte-americano Steve Aoki, que atraiu um multidãopara o público principal por volta das 17h.

Segurança. O Tomorrowland conta com uma sala especial de vigilância paragarantir a segurança no local. Setenta câmeras internas e outras 18 monitoramtudo que acontece no festival durante 24 horas. Uma equipe especial também fazo monitoramento das pessoas nas redes sociais para identificar possíveisproblemas de roubo, furto, drogas e violência sexual. De acordo com aorganização do evento, não houve nenhuma ocorrência mais grave. Ao todo, foramregistrados 4 boletins de ocorrência na primeira noite do festival(sexta-feira).

Cães farejadores também trabalham com a PolíciaCivil para evitar a entrada de drogas no Parque Maeda. Segundo a organização doevento, duas pessoas de uma empresa terceirizada foram presas com drogas antesde o evento começar na última quinta-feira. Outras duas também foram presasportando drogas no Dreamville na tarde de sexta-feira, 1.º. 

Na última sexta-feira, 1.º, as mensagens de amor dominaram o primeiro dia do festival.

Mais conteúdo sobre:
Tomorrowlandfestivalmúsica

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.