Mônica Bento/AE
Mônica Bento/AE

No show do U2, sai 'Trem das Onze' e entra 'Minha Menina'

Banda irlandesa tocou 'Out of Control', de seu primeiro disco, 'Boy'; Bono Vox interrompeu o show para lembrar o massacre no Rio

Lucas Nobile e Roberto Nascimento - O Estado de S. Paulo,

10 Abril 2011 | 19h50

SÃO PAULO - A música A Minha Menina, de Jorge Ben Jor, anunciou o início do show do U2 neste domingo, 10. Na véspera, Trem das Onze, de Adoniran Barbosa, empolgou o público. A apresentação começou por volta das 21h10, cerca de meia hora antes do que a anterior.

 

Veja também:

link Saiba como foi o show de sábado

link Como chegar e estacionar na quarta-feira

 

Em seguida, foi a vez de Out of Control, do primeiro disco do grupo, Boy. A música ainda não havia sido tocada em nenhum show do U2 na América Latina durante esta turnê.

Muse

Mais cedo, a banda britânica Muse fez o show de abertura. O grupo começou  a tocar pontualmente às 19h30.

Diferentemente de ontem, quando o público reclamou que o som estava baixo demais, a equalização e a potência sonora foram impecáveis no estádio, que recebe cerca de 90 mil pessoas.

 

Mesmo assim, a plateia não se empolgou durante os 50 minutos de apresentação do Muse.  A chuva moderada que atingiu a região no início da noite durou pouco tempo.  

Massacre no Rio

Durante o show, no mínimo três músicas que não foram tocadas ontem, entre elas. Out of Control, Zooropa, With or Without You. Antes, o Bono parou para falar sobre o massacre no Rio de Janeiro. "O Brasil é um País sério, é o País do momento, é o País do agora", diz.

Estrutura

O show impressionou pela estrutura da turnê 360º muito mais do que havia sido em 2006, com a turnê Vertigo.

Um dos pontos altos do show foi o telão, que por volta das 22h30 desceu tocando o solo do palco circundando o quarteto irlandês e o palco em forma de estrutura de aranha, ou uma nave, ou uma catedral. Pela quentura da banda, o telão seria capaz de 'derreter as catedrais' rodriguianas (em citação a famosa frase de Nelson Rodrigues).

Durante o show, o vocalista Bono Vox brincou dizendo ter recebido uma mensagem do governador Geraldo Alckmin, falando que "amanhã (nesta segunda-feira) ninguém trabalha, é dia do U2". A plateia respondeu vaiando o governador paulista.

Nos banheiros do estádio do Morumbi com estrutura impecável, alguns fãs com a camiseta do Iron Maiden chegaram a dizer o seguinte: 'Eles não são tão grandes como Iron, mas imagina quantas mulheres o Bono Vox já comeu a mais que o Bruce Dickinson", disse o grupo.

Por volta das 23h, o U2 tocou um dos clássicos da noite, One Love, com casais se encontrando na pista, reascendendo vários flashes de câmeras na plateia que estava a meia luz. A banda terminou o show às 23h26 com a musica Moment of Surrender.

O grupo saiu do palco três minutos após o encerramento do show. Na região já havia batedores para fazer a escolta da banda para o hotel.

A Polícia Militar informou que não houve ocorrências e a saída segue com tranquilidade. Os ingressos se esgotaram assim como show da última quarta feira. O público foi de 90 mil pessoas e quem não conseguiu comprar o ingresso tinha como opção os cambistas, que vendiam o ingresso de 200 a 400 reais.

A banda liderada por Bono Vox conseguiu cativar o público, que naturalmente tem conteúdo, desfilando uma série de hits, mas assim como os parnasianos tem como alma do negócio a forma e a estrutura.

Texto atualizado à 0h37

Mais conteúdo sobre:
u2 muse show morumbi som

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.