No Sesc Pompéia, banda de mulheres para vozes masculinas

Com o pretexto de festejar o Dia Internacional da Mulher, o Sesc Pompéia realiza, desta quinta-feira, 8, a sábado, o projeto Lugar de Mulher É na Cozinha, em que inverte os papéis padrões de shows, brincando com um velho clichê popular. Desta vez, são os homens - Marku Ribas, Rubi e Marcelo Pretto - que assumem o microfone e a mulherada fica só no acompanhamento. A banda feminina é formada por algumas figuras notórias na cena musical paulistana, como Anelis Assumpção (percussão), Tata Fernandes (violão e guitarra), Lelena Anhaia (baixo), Ana Eliza (cello, flauta e sax), Iara Rennó (guitarra). Mariá Portugal e Flavia Maia reforçam a percussão, enquanto a DJ Evelin entra com intervenções nas pick-ups. As percussionistas Lanlan e Simone Soul fazem participações especiais enquanto Simone Julian, além de tocar sax e flauta, contribui com o barrigão de grávida. É que o repertório vai abordar diversos aspectos do universo feminino, do mais sério ao mais divertido. E Mulher Barriguda, dos Secos & Molhados, faz parte dele. "Há canções que falam de mulheres e outras, femininas, na primeira pessoa, como Perigosa (Rita Lee), que fica bem engraçada cantada por um homem", conta Anelis. "E não pode mudar o gênero: é ?eu sei que eu sou bonita e gostosa? mesmo", brinca. "A proposta é fazer um show dançante, com canções bem populares, e tem desde homenagem às grávidas até a malandra Kátia Flávia (Fausto Fawcett)." O show tem uma abertura instrumental "meio bagunça", que leva para Descontrolada (Tati Quebra-Barraco); tem a sensualidade de Menina Mulher da Pele Preta (Jorge Ben); o conformismo de Com Açúcar, com Afeto (Chico Buarque); a insinuação à homossexualidade em Paraíba (Luiz Gonzaga); a comicidade de Vá Morar com o Diabo (Riachão). Lugar de Mulher É na Cozinha. Choperia do Sesc Pompéia (800 lug). Rua Clélia, 93, 3871-7700. 5.ª a sábado, 21 horas. R$ 5 a R$ 15

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.