Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

No Lollapalooza, Raimundos empolga o público com hits dos anos 90

Banda emenda sucessos como Nega Jurema, Mulher de Fases e Me lambe para agitar a plateia logo no início

João Paulo Carvalho, O Estado de S. Paulo

06 de abril de 2014 | 14h52

Sob forte calor, os Raimundos subiram pontualmente às 13h30 no Palco Skol na tarde deste domingo, 6, no festival Lollapalooza. A banda que deixou seu nome cravado na história do rock nacional dos anos 1990 precisou de apenas alguns hits para empolgar o público que acabava de chegar ao Autódromo de Interlagos. Nega Jurema, Mulher de Fases, I Saw you Saying e Me Lambe logo foram cantadas em coro. "Vocês estão mais quente que este sol. Não tem uma mangueira com água bem gelada para jogar neste povo, não?", brincou o vocalista e guitarrista Digão.

 

Além dos clássicos, a banda apresentou algumas músicas inéditas do disco Cantigas de Roda. Produzido por Billy Graziadei, do Biohazard, este foi o primeiro álbum de estúdio dos Raimundos depois de mais de dez anos. O CD foi financiado pelos fãs no sistema crowdfunding, a popular "vaquinha virtual". "Essa música aqui é para todos que ajudaram a gente neste projeto. Vocês são demais. Obrigado a todos que estão aqui", completou Digão.

 

Mesmo com vinte anos de estrada, os Raimundos não perderam a empolgação. Vários foram os momentos em que Digão, Canisso, Marquim e Caio brincaram com a plateia. "Vamos abrir uma roda ali. O Lollapalooza vai sentir o que é um verdadeiro show de rock", afirmou Digão antes de lançar os primeiros acordes da frenética Eu Quero ver o Oco.

 

Altas temperaturas. O calor continua intenso na tarde deste domingo, 6, no Autódromo de Interlagos. Segundo a organização do festival, ainda não houve registro de pessoas que tenham passado mal por conta do calor. As garrafas de água são vendidas a R$ 4 e a cerveja a R$ 9.

 

Tudo o que sabemos sobre:
lollapaloozaraimundoscalor

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.