No embalo da Copa, Anastacia ganha status de estrela

Ela já teve mais de 10 milhões de discos vendidos em todo mundo, ganhou quase trinta importantes prêmios internacionais nos últimos dois anos e ficou conhecida nos cinco continentes ao cantar o tema da Copa do Mundo, antes da final Brasil x Alemanha. Agora, Anastacia passa a conquistar também os Estados Unidos, o único território "não convertido". Acaliforniana loura que tem voz de negra está atualmentedivulgando seu segundo disco, Freak of Nature, que já estáno top 30 da Billboard e, em setembro, faz uma turnê peloJapão.A estratégia de segurar o disco no mercado americano (o trabalhofoi lançado em novembro na Europa e no início do ano no Brasil)foi planejada para aproveitar a exposição da Copa do Mundo - epara permitir que Anastacia, que já era uma estrela do outrolado do Atlântico, promovesse o álbum por lá. Cantar na final,por sinal, foi uma experiência inesquecível para a cantora de 29anos, que é descendente de alemães. "Sabia que íamos perder,mas estava esperando um milagre", disse ela em entrevistaexclusiva à Planet Pop, em Nova York. "Depois de algum tempo,passei a torcer pelo Brasil. Mas foi muito intenso ver todaaquela paixão."Anastacia confessa que quando foi convidada pela Fifa paracompor a música da Copa, não sabia nada sobre futebol. "Achavaque a Copa acontecia todo ano!", diz. "Aprendi muito sobre oesporte e o evento, virei uma daquelas fãs que grita na frenteda TV. E fiquei muito impressionada com a seleção brasileira."Assim como a participação em um dos maiores eventos do mundo, acarreira de Anastacia sempre teve empurrões do destino. Elanunca havia pensado em cantar e, nem sequer ouvia música quandoera criança. Logo depois que se mudou para Nova York, quando eraadolescente, ela ganhou um flyer que anunciava vagas parafigurantes do programa Club MTV. Passou a dançar no show elogo podia ser vista nos palcos, atrás de nomes como India, MarcAnthony e outros artistas do mundo club de nova-iorquino.Ela passou a coreografar dançarinos e acabou conhecendoprodutores musicais. "Alguém me perguntou se eu sabia cantar erespondi: ´Todo mundo consegue cantar, não?´", diz. "Um anodepois, comecei a desconfiar que algumas pessoas tinham um certodom para a coisa." Quando passou a cantar em casamentos, elanotou que, em alguns momentos, os convidados ficavam muitoadmirados com sua voz. "Mesmo quando estavam bêbados!"A chance decisiva veio com a participação no programa decalouros The Cut, da MTV norte-americana, que era apresentadopor Lisa "Left Eye" Lopes, do TLC, que morreu no ano passadoem um acidente de carro. Sua apresentação impressionou tantaspessoas, que ela acabou sendo apresentada ao presidente da Sony,Tommy Mottola. "Foi interessante, porque ele ouviu falar de mimpor várias pessoas diferentes", diz. "Tive muita sorte noprograma, até porque os jurados eram delicados. Hoje em dia, emprogramas como American Idol, eles são muito cruéis. Ninguémmerece ser humilhado, acho que não ajuda ninguém."Mas Anastacia só descobriu que tinha uma voz realmente poderosaquando foi contratada pela Sony, no fim dos anos 90. "Ninguémsabia como gravar minha voz apropriadamente, eles semprecolocavam muitos efeitos e não ficava bom", conta. "Foi umprazer muito grande entender que minha voz é como um instrumento, como um piano ou violão." Seu timbre à la Tina Turner sedesenvolveu naturalmente, sem ajuda de professionais. "Nuncaestudei, porque acho que se eu estudasse, minha voz seriadiferente. Os professores não iriam gostar do jeito que eucanto."Dez milhões de discos vendidos depois, ela já se apresentou nosquatro cantos do mundo, angariou uma legião de fãs e ainda temenergias para promover Freak of Nature até o fim do ano. Noinício de 2003, volta para o estúdio para gravar o terceiroálbum, para o qual ela já tem "idéias na cabeça". Refletindosobre o estrelato, Anastacia diz que que gosta de dizer que nãodá conselhos para ninguém que esteja querendo ficar famoso, sópara "quem quiser ouvir coisas sobre como viver melhor"."Nesta profissão, cada caso é muito diferente, se você tentarrepetir uma fórmula, não vai dar certo", garante. "Cada um temseu caminho. A única coisa que eu digo para as pessoas é:conheça você mesmo melhor e não dê bola para as pessoas ao seuredor." Palavra de estrela.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.