Reprodução/Nirvana
Reprodução/Nirvana

Nirvana pede arquivamento do processo do bebê de 'Nevermind'

Uma nova audiência sobre o caso da capa de 'Nevermind' está marcada para o dia 24 de fevereiro

Jonathan Stempel, Reuters

02 de fevereiro de 2022 | 08h37

O Nirvana pediu a um juiz dos Estados Unidos que arquive definitivamente o processo do homem que alega que sua imagem quando era um bebê de quatro meses, nu, na capa do álbum Nevermind, de 1991, é pornografia infantil.

Em um processo no tribunal federal de Los Angeles, os advogados da banda disseram que Spencer Elden esperou muito tempo para alegar que a representação o explorou sexualmente, condenando a terceira e mais recente versão de sua queixa.

"Embora não haja dúvidas sérias de que a fotografia não é 'pornografia infantil', o caso de Elden está há muito prescrita pelo estatuto de limitações", escreveram os advogados da banda. "Para Elden, este é o 'strike' três. Esse caso deve terminar."

Um advogado de Elden não respondeu de imediato a pedidos de comentários nesta terça-feira, 1º.

A capa do álbum Nevermind mostra Elden nadando nu em direção a uma nota de dólar perfurada com um anzol.

Elden disse que a foto lhe causou "danos ao longo da vida" enquanto fazia com que o Nirvana arrecadasse dezenas de milhões de dólares às suas custas.

Nevermind, que contém a música Smells Like Teen Spirit, vendeu mais de 30 milhões de álbuns.

A lista de réus inclui os membros da banda Nirvana, Dave Grohl e Krist Novoselic, a viúva do falecido vocalista Kurt Cobain, Courtney Love, várias gravadoras e o fotógrafo Kirk Weddle.

Uma audiência perante o juiz distrital dos EUA, Fernando Olguin, está marcada para 24 de fevereiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.