Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Nine Inch Nails faz show pesado e versátil no festival

Apresentação intensa, comandada por Trent Reznor, mistura músicas novas e hits

João Paulo Carvalho, O Estado de S.Paulo

05 de abril de 2014 | 21h02

Trent Reznor é a arma secreta do Nine Inch Nails. O talentoso e multi-instrumentista americano tem feeling para fazer com que a plateia entenda sem rodeios o caleidoscópio sonoro da banda. Com um show pesado e experimental, os americanos transformaram o Palco Onix do Lollapalooza em um caldeirão soturno na noite deste sábado, 5.

O show do Nine Inch Nails é intenso e heterogêneo, misturando canções novas e hits que marcaram os mais de vinte anos da banda. Trent por sua vez é o maestro. Ele orquestra de forma primorosa o coral com uma interpretação artística de alta qualidade. O grupo foi do metal ao eletrônico, passando pelo progressivo e o industrial, sem fraquejar e a performance de Trent é sempre atormentada e introspectiva, o que não ofusca sua genialidade musical.

Todas as músicas da intensa apresentação do Nine Inch Nails possuem uma construção visual específica. A variação de sombras e luzes impressiona do início ao fim. Trent é sempre a figura central de cada canção executada.

Surgido nos anos 1980, a banda é conhecida por sua versatilidade musical e capacidade de se reinventar a cada disco. Foi assim com The Downward Spiral (1994), With Teeth (2005) e o recém-lançado Hesitation Marks (2013). Tal criatividade rendeu ao músico o Oscar de melhor trilha sonora em A Rede Social.

Esta foi a segunda passagem do Nine Inch Nails pelo Brasil. A primeira ocorreu em 2005, no extinto festival Claro Que É Rock. Três anos depois, em 2008, a banda chegou a confirmar shows em São Paulo e Porto Alegre, como parte da turnê do disco The Slip. As apresentações, no entanto, foram canceladas, como a que aconteceria esse ano, no Rio.

 
Tudo o que sabemos sobre:
Lollapaloozamúsica

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.