Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Ney Matogrosso retorna mais roqueiro e com figurino único

‘Bloco na Rua’, que chega a São Paulo em março, estreia no Rio mostrando potencial para se tornar outra longa turnê

Julio Maria, O Estado de S.Paulo

13 de janeiro de 2019 | 19h32

Ney Matogrosso fez a estreia nacional no Rio de mais uma turnê que promete ser longa. Bloco na Rua, que sucede a heroica Atento aos Sinais e chega a São Paulo em 29 de março, é um show roqueiro, com versões para muitas músicas conhecidas e apenas uma inédita: Inominável, de Dan Nakagawa.

O início tem um choque dos mais fortes produzidos em seu histórico. As cortinas se abrem rapidamente, a banda começa a tocar e Ney está em um tablado ao fundo do palco, com um capuz cobrindo a cabeça e o corpo vestido por uma peça colada, dourada, como uma armadura, criada pelo estilista Lino Villaventura. Um canhão de luz atinge a cabeça de Ney, ele retira o capuz e a plateia ovaciona. Então, caminha até a frente do palco e canta Eu Quero é Botar Meu Bloco na Rua, de Sérgio Sampaio.

Ney preparou um começo arrasador, colando três músicas fortes. Assim que termina o Bloco, ataca de Jardins da Babilônia, que a amiga Rita Lee cantou com o Tutty Frutti, e depois, O Beco, dos Paralamas, que tem os metais de sua introdução reproduzidos fielmente pela pequena sessão de sopros. “Será que eu consigo chegar ao fim”, disse Ney à tarde, depois da passagem de som, brincando com o estado ofegante que a tríade lhe deixava.

Um começo assim coloca a plateia nas mãos do artista logo no início, mas cobra seu preço. O show de Ney não tem fogo alto o tempo todo, e aquela temperatura ganha contraste rapidamente já na quarta canção, Álcool, o bolero de DJ Dolores, e na seguinte, Já Sei, de Itamar Assunção e Alzira Espíndola. Sangue Latino, com novo riff de guitarra de Marcelo Negrão, fecha com vibração, mas só depois de 13 canções. 

Ney inclui um bloco romântico com Mais Feliz, A Maçã, Tua Cantiga, Iolanda e Postal de Amor, quebrado só por Pavão Mysteriozo. Reabre com uma bela Como Dois e Dois e fecha com Coração Civil e Feira Moderna. Tem guardada Mulher Barriguda, dos Secos, para noites de plateias insaciáveis. Há ainda um ritmo de palco a ser acertado que a estrada pode imprimir e uma ponderação: um único figurino o tempo não perde a força de sua exuberância? Um show de tantas cores parece pedir a Ney que, por vezes, ele se desfaça do peso. 

Mais conteúdo sobre:
Ney Matogrossomúsica

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.