Nelson Ayres, jazzista, faz show em SP

Como espera-se de todo jazzista que se preze, as apresentações do pianista Nelson Ayres, hoje e amanhã, no Supremo Musical, serão marcadas pelo improviso. No comando do trio formado pelo baixista Rogério Botter Maio e pelo baterista Bob Wyatt, Ayres recebe ainda o saxofonista norte-americano Harvey Wainapel em participação especial.No repertório, além de composições próprias como Flor do Mato, Caminho da Casa, Veranico de Maio e Lua Nova, há também canções de autoria de Tom Jobim, entre elas Dindi. Também estão no programa My Back Pages, de Bob Dylan, e Hernando´s Hideaway, do musical da Broadway The Pajama Game. Ayres está completando um ano à frente da formação do trio instrumental. Em agosto de 99, ele retomou a carreira de músico após dedicar seis anos à regência e criação de arranjos para a Orquestra Jazz Sinfônica do Estado de São Paulo. Sempre atuante na organização de projetos artísticos, Ayres responde também por um dos mais relevantes festivais de música da atualidade. Em 1998, o regente aceitou convite de João Lara Mesquita, responsável pela Rádio Eldorado, para coordenar e presidir o júri do Prêmio Visa de MPB. Nas três edições realizadas até hoje (1998, 1999 e 2000), foram revelados os instrumentistas Hamilton de Holanda e André Mehmari, a cantora Mônica Salmaso e o compositor Dante Ozzetti.Pioneiro - O pianista foi o primeiro aluno brasileiro a ingressar no Berklee College of Music, em Boston, Estados Unidos - considerada a Harvard da música -, na década de 70. Voltando ao Brasil, criou a Big Band de Nelson Ayres e, nos anos 80, atuou com o grupo instrumental Pau Brasil. Com o amigo César Camargo Mariano, criou o premiado show Prisma, de 1987, com o qual percorreram o País. A produção era sofisticada para os padrões da época, tanto com relação à iluminação quanto à instrumentação eletrônica. Ayres foi também o primeiro músico a trazer ao Brasil um sintetizador, em 1970.Nelson Ayres Trio e Harvey Wainapel - Supremo Musical (Rua Oscar Freire, 1000, tel.: 3062-0950). Hoje e sábado, às 22 h. R$ 15.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.