Neil Young lança disco ao vivo

Basta ouvir a primeira música desse disco ao vivo de Neil Young, Cowgirl in the Sand, de 18 minutos de duração, com aquela guitarra que parece meio engasgada e a voz fanha, parecendo sair de um trem em movimento, e tudo fica esclarecido. Sim, esse homem é a lenda do Rock in Rio. É um dos poucos que ainda emprestam mistério e heroísmo ao rock´n´roll.O disco em questão é Road Rock V I - Friends & Relatives, que acaba de sair pela Warner Music no Brasil. Uma pequena odisséia familiar do canadense, que canta acompanhado da irmã e da mulher. Simultaneamente, como numa espécie de catequese às pressas, a gravadora também repõe no mercado estoques esgotados de discos mais recentes de Neil Young, que são Harvest Moon, Unplugged, Comes a Time, Sleeps with Angels e Decade.É o sexto álbum ao vivo de Young e foi lançando mundialmente em 21 de novembro pela gravadora Reprise. Além de sua banda, Young tem os reforços de Chrissie Hynde, dos Pretenders, na faixa All Along the Watchtower (Bob Dylan). Young também incluiu no disco a faixa Fool for Your Love, que ele sempre cantou nos seus shows durante mais de uma década, mas nunca tinha gravado.A banda inclui o guitarista Ben Keith, o pianista Spooner Oldham, o baixista Donald "Duck" Dunn, o baterista Jim Keltner e a irmã do cantor, Astrid, e sua mulher, Pegi Young, nos vocais. O filho, Zeke, cuidou do áudio da gravação. Um disco em família. O cantor também deve lançar um vídeo e um DVD do show este mês.O disco foi gravado durante um show de Neil Young em 19 de setembro no Red Rocks Amphitheater, no Colorado. Traz clássicos de todos os tempos do cantor, como Motorcycle Mama, um country rock da mais pura escola Neil Young, com os vocais femininos esgarçados e a batida subversiva, implodindo qualquer atmosfera caipira da canção.O ano 2000 terá sido, em breve, um período daqueles excepcionais na carreira de Neil Young. No começo do ano, ele lançou Silver & Gold, um dos seus melhores discos em uma década, dedicado ao filho e de extrema sutileza, acústico e delicado.Este Road Rock tem mais peso e contundência e é igualmente bom. Ele faz um mélange de várias coisas, das antigas às recentes. A acústica Peace of Mind, por exemplo, é de Comes a Time, de 1978.A balada Fool for Your Love nunca fora gravada antes. A produção é de Young e de seu guitarrista, Ben Keith.Neil Young é um dos maiores compositores do rock e basta ouvir apenas uma das faixas do CD para saber o motivo. Tonight´s the Night, a sétima faixa, é uma tocante elegia a um amigo, morto por overdose de drogas. Piano dedilhado com lassidão, um canto ritualístico, o pedal steel lancinante e um coro fora de tempo cria o clima adequado.O disco é um indicativo do que poderá ser o show de Young no Rock in Rio, mas nunca uma pista definitiva. Ele costuma mudar de idéia como quem troca de roupa. Nos últimos quatro anos, desde que fez a trilha sonora para o filme Dead Man, de JimJarmusch, surpreendeu sempre e muito mais ao vivo.Dead Man foi um momento único na carreira de Young. Inspirado no poema do poeta inglês William Blake, ele compôs 13 faixas sem nome, impulsionadas basicamente pela guitarra, com algum órgão e piano atravessando os versos.Filho de Edna "Rassy" Young, uma apresentadora de quiz show da TV canadense, e Scott Young, um cronista esportivo do jornal Toronto Sun, ele mostrou desde muito cedo que seu negócio era negar o show business no qual viveu cercado no início.Mais interessado em tocar seu banjo e a guitarra, largou a escola e foi para a estrada, de onde nunca mais saiu. Road Rock é mais um registro dessa aventura sem fim.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.