EFE/EPA/HENNING KAISER
EFE/EPA/HENNING KAISER

Neil Young ataca serviços de streaming: 'pior áudio da história'

Rock star é o desenvolvedor do Pono, um reprodutor portátil que oferece música de alta qualidade de som

AFP

17 Julho 2015 | 10h34

Ícone do rock folk, o canadense Neil Young defendeu o fim dos serviços de música on-line nas condições técnicas atuais, queixando-se de que até as antigas fitas cassete têm um som melhor do que as plataformas musicais da Internet.

"O streaming é uma porcaria, é o pior áudio na história", postou no Facebook o artista conhecido por suas furiosas denúncias contra os poderes corporativos. "Estou preservando (minha música) da maneira que quero", acrescentou.

A discografia do canadense, incluindo seu mais recente álbum The Monsanto Years - no qual ataca a biotecnologia do gigante de alimentos modificados -, ainda estava disponível nesta quinta-feira no Spotify, Apple Music e em outros serviços de streaming, um dia depois de anunciar que iria retirar seu trabalho dessas plataformas.

Dessa maneira, Young se somou ao reduzido grupo de artistas que se recusam a difundir seus álbuns por streaming, um mercado em crescimento que permite uma demanda ilimitada de música digital.

Young, uma expoente estrela do rock de 69 anos, é o desenvolvedor do Pono, um reprodutor portátil que oferece música de alta qualidade de som.

Mais conteúdo sobre:
Neil YoungStreaming

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.