Negra Li lança primeiro CD em show único

A cantora revelação Negra Li, de 25 anos, nascida e criada na Vila Brasilândia, na Zona Norte, dá voz afinada à periferia paulistana com seu rap. Com show único no Urbano, hoje, ela lança o primeiro CD, Guerreiro, Guerreira (Universal), ao lado do mano Helião. Ambos dividem os vocais e a autoria das 11 faixas do CD e têm em comum a determinação de cantar "letras construtivas" e sem palavrões."Acredito que o rap poderia ter se desenvolvido melhor se não fosse pela negatividade e a falta de musicalidade de muitos artistas", combate Helião, fã de Jorge Benjor e de Zeca Pagodinho. "Não sou vulgar, não sou preconceituosa, minha música fala por mim, só canto coisas que Deus aprovaria", endossa Negra Li, que tem Lauryn Hill, Elis Regina e Mary J.Blige entre as boas influências.Reggae e soul music estão nas bases de suas investidas sonoras, que leva a sério. Atuando há quatro anos como coralista e solista no Coralusp, ela estuda canto, piano, ritmos de jazz, blues e samba, faz improvisos de bebop. "Resolvi gravar porque surgiu essa oportunidade, mas ainda estou engatinhando. Quero continuar estudando música para construir uma carreira duradoura", diz.Negra e Helião estréiam emplacando sucesso em novela global: Guerreiro, Guerreira é tema da personagem de Thalma de Freitas em Começar de Novo. No CD, eles também têm o aval de dois nomes de ponta do hip-hop nacional - o carioca Marcelo D2 e o paulistano Mano Brown (Racionais MC´s), que participam respectivamente de O Rap não Tem pra Ninguém e Periferia.Helião e Negra Li - Hoje, às 24h, no Urbano (R. Cardeal Arcoverde, 614, Tel.: 3085-1001). R$ 15 (mulheres) e R$ 20 (homens)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.