Negociante de violinos raros é condenado por golpe

Um comerciante dos raros violinos Stradivarius, cobiçados por músicos do mundo todo, foi sentenciado na sexta-feira a seis anos de prisão por enriquecimento ilícito, depois que seu negócio faliu causando prejuízos de dezenas de milhões de euros a clientes e credores.

MICHAEL SHIELDS, Reuters

09 de novembro de 2012 | 20h13

Dietmar Machold, 63 anos, transformou a sua empresa familiar com sede em Bremen (Alemanha) num colosso com filiais em Zurique, Viena, Nova York e Chicago, atendendo músicos de elite e colecionadores de instrumentos que podem atingir milhões de dólares.

Mas a empresa faliu em 2010, deixando muitos compromissos não-pagos. "Sou um fracasso. Perdi tudo", disse Machold no tribunal em Viena, onde ele foi condenado por se apropriar indevidamente de quantias dos clientes e de ocultar seu patrimônio de credores.

Membro de uma família que há cinco gerações se dedica aos violinos, Machold se tornou um dos mais influentes comerciantes dos violinos criados no século 18 por mestres como Antonio Stradivari, de Cremona (Itália), considerado o melhor luthier que já existiu.

"Essa ascensão foi construída sobre a areia", disse o promotor Herbert Harammer ao tribunal, acusando o empresário de levar uma vida sofisticada que servia de fachada para um negócio que na verdade já estava insolvente desde meados de 2006.

Tudo o que sabemos sobre:
MUSICASTRADIVARIUSCONDENADO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.