Nasce uma nova orquestra em São Paulo

São Paulo acaba de ganhar uma nova orquestra. Dirigida pelo maestro Benito Juarez, a Orquestra São Paulo tem 16 músicos e assume, de acordo com o programa executado, o perfil de um grupo barroco, clássico ou romântico, com a participação de músicos convidados. Sem vínculos com nenhuma instituição, a orquestra pretende extrair sua subsistência de parcerias com o poder público e com a iniciativa privada. "É uma forma de deixar de lado o engessamento estrutural e a burocracia, elementos que acabam com a dinâmica,desfavorecendo o desenvolvimento artístico. É preciso entender que o consumo de idéias musicais deve entrar nas leis do capitalismo."A declaração do maestro Juarez, que durante quase 30 anos foi diretor da Sinfônica de Campinas (orquestra mantida pelo município), se por um lado abre espaço para toda uma discussão a respeito da indústria cultural, por outro evidencia uma situação que, há alguns anos, vem tornando complicada a vida de orquestras públicas paulistas. Salários baixos, burocracia,falta de verbas e de espaços adequados são condições que passaram a fazer parte de seu dia-a-dia.Um dos casos mais significativos, tendo em vista o papel a que se propõe, é o do Teatro Municipal, ao qual estão vinculadas duas orquestras: a Sinfônica Municipal e a Experimental de Repertório. Segundo Miriam Mazzei, coordenadorados corpos artísticos estáveis do teatro, a verba total do teatro é de R$ 17 milhões, dos quais R$ 14 milhões são destinados a pagamentos de salários e de funcionários terceirizados, como os das equipes de segurança e de limpeza.Sobram R$ 3 milhões para bancar a programação das orquestras e também do Quarteto de Cordas e do Balé da Cidade e de dois corais: o Lírico Municipal e o Paulistano. Pouco, segundoMiriam.Mas, mais do que financeiros, os problemas mais graves são estruturais. Até este ano, o cargo do diretor do Teatro Municipal, que já foi ocupado pelos maestros Isaac Karabtchevskie Júlio Medaglia, não existia dentro do organograma da Secretaria Municipal de Cultura. Na prática, a posição acabavasendo ocupada pelo diretor do Departamento de Teatros e desvincular o Municipal do departamento foi uma das primeiras medidas de Lúcia Camargo, quando assumiu o teatro no iníciodeste ano. Outra medida foi a separação entre direçãoadministrativa e artística - como ocorre com a Osesp. Para esteúltimo posto, acaba de ser confirmada a escolha do maestronorte-americano Ira Levin, que regeu em setembro os concertos emcomemoração aos 90 anos do Municipal.No que diz respeito à organização interna da orquestra,a situação não é muito diferente. Segundo Miriam, há quatrocategorias distintas entre os músicos: efetivos, admitidos(estáveis e instáveis) e os "verbas de terceiros". Destes, osúnicos que constam da folha de pagamento da Prefeitura são osefetivos. Os admitidos estáveis, apesar de não seremfuncionários públicos, têm, segundo Miriam, status de efetivos,só podendo ser dispensados por meio de inquérito administrativo.Os admitidos instáveis, assim como os "verbas de terceiros",diz Miriam, podem ser dispensados a qualquer momento. "Noentanto, estou aqui há 21 anos e nunca vi um músico ser mandadoembora", afirma.Para renovar e dar nova vida à orquestra e diminuir osgastos com terceiros, Miriam acredita que apenas a realização deum concurso público poderia ser eficiente. "No entanto, desde aúltima gestão, vem se pensando em formas de realizá-lo e nuncase chega a uma conclusão, além disso, ele custa muitodinheiro."Bolsas - Na Experimental de Repertório (OER), orquestraque tem como função formar jovens músicos e também público, comênfase em um repertório inventivo (no mês que vem, por exemplo,a orquestra vai unir em um concerto obras do grupo Uakti e docompositor Béla Bartók), a situação não é muito distinta. A OERtem cem músicos: 17 monitores, com salário médio de R$ 2.500, e83 bolsistas, que recebem de R$ 572 até R$ 609. "É um valormuito baixo, tendo em vista que os músicos continuam a estudar etêm despesas com a cara manutenção de seus instrumentos", dizJamil Maluf, diretor do grupo.Está à espera de votação na Câmara um abono de R$ 200para os bolsistas, o que acresceria aproximadamente R$ 200 milao total de R$ 560,9 mil gastos atualmente com o pagamento anualde salários. No entanto, caso seja aprovado, o abono nãosignificará um aumento fixo no valor das bolsas, podendo serretirado a qualquer momento.Um outro problema da orquestra diz respeito à sua sede, um pequeno espaço improvisado no quartel da Polícia Militar na Rua Santo Amaro, centro da cidade. "A orquestra é um elemento acústico e é absurdo que tenha de ensaiar em um local semacústica nenhuma, no escuro, sem saber como vai soar no momento em que for se apresentar em um teatro", diz Maluf. Há umprojeto de levar a OER, assim como outros corpos estáveis da Secretaria Municipal de Cultura para uma nova sede, no prédio doantigo Cine Olido. Segundo a secretaria, no entanto, o projeto ainda está em fase de estudos, uma vez que acabaria envolvendo também outros setores da Prefeitura. A OER gastará até o fim doano R$ 138,9 mil de locação artística, ou seja, contratação de artistas convidados e cenários e figurinos (no caso de espetáculos audiovisuais, como óperas).Um pouco mais de verba para custear sua programação tema Sinfônica de Campinas: R$ 200 mil, segundo seudiretor-executivo Henrique Lian, que assumiu o cargo no iníciodo ano, tendo ao seu lado o maestro Aylton Escobar como diretorartístico - separação que, segundo as conclusões a que chegaramrepresentantes de grupos do Brasil todo que participaram doFórum das Orquestras, realizado em maio, em Brasília, éfundamental para o sucesso desse tipo de instituição.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.