Nana Caymmi mostra "Desejo" em SP

Nana Caymmi estréia seu novo shownesta sexta-feira, em São Paulo. Canta, até domingo, as músicas dodisco Desejo, que acaba de lançar. Das 14 faixas do CD, 12são novas. Duas são regravações: Saudade de Amar, do irmãoDori Caymmi (com letra de Paulo César Pinheiro), que o autor damelodia já havia registrado, há três anos (e que está, agora, natrilha da novela Porto dos Milagres, da TV Globo, servindode tema à personagem de Cássia Kiss); e Vou Ver Juliana, umsamba do pai, Dorival, que há muito tempo não era gravado porninguém.Vale lembrar que, no disco, Nana canta Vou VerJuliana em duo com Zeca Pagodinho. Era um velho desejo de Nana cantar com Zeca. "Um gesto de amor, convidá-lo para gravarcomigo", confessa ela. "Nós já deveríamos ter dividido antesuma faixa, para o projeto Casa de Samba, da Universal, mas nãodeu. Eu não tinha data, ele não tinha quando eu tinha, essesdesencontros. Agora deu tudo certo. E gosto muito do jeito comoZeca interpreta o samba de papai, que é muito carioca e me fazlembrar minha infância. Ninguém, hoje, canta esse tipo de sambacomo Zeca Pagodinho."O cantor, entretanto, não estará em cena com Nana. Temoutros compromissos, está cuidando de disco novo. E cumprelembrar que, a rigor, uma terceira canção do repertório deDesejo não é inédita. Trata-se justamente da faixaque dá título ao CD, uma canção de Fátima Guedes já gravada pelaautora. "Mas não tocou no rádio, ninguém ouviu. É como seinédita fosse", diz Nana.Curiosamente, quem fez o arranjo de Desejo para agravação de Fátima Guedes foi o mesmo Cristóvão Bastos que feztambém o arranjo para a gravação de Nana - e que é o diretormusical do show deste fim de semana. "Mas o Cristóvão fezcoisas diferentes para cada uma, escreveu para nossaspersonalidades, que são diferentes", conta Nana. "Eu atégostaria de ter gravado antes, essa canção, mas tinha de deixarpassar um tempo, pois a interpretação da Fátima é muito forte e,durante um tempo, para mim, a música ficou impregnada de sualeitura - ainda mais sendo leitura autoral", explica. Ah, sim,Desejo está num disco de Fátima Guedes chamado MuitoIntensa. Não por acaso.Linda flor - Mas o repertório do show terá mais do queas músicas do disco. Nana jamais negaria os sucessos ao públicofiel - e garante, ainda, sua versão de Linda Flor (Ai, Iôiô), canção gravada em duo por ela e por Dori no mais recente discodele, Influências. Infelizmente, Dori não estará em palcocom Nana, para repetir o feito (como Zeca não estará e como ooutro convidado especial de Desejo, Ivan Lins, também nãoestará). "Mas eu prometo que quando o Dori fizer o show delançamento do disco dele, eu estarei no palco, com ele, meuirmão e minha grande paixão", garante.Nana vai cantar acompanhada pelos músicos que são seuscompanheiros constantes de muitos anos - o pianista, arranjadore diretor musical Cristóvão Bastos, o violonista e guitarristaRicardo Silveira, o contrabaixista Jorjão Carvalho, osaxofonista e flautista Ricardo Pontes, o baterista Ricardo Cosa, o percussionista Don Chacal e o tecladista Itamar Assiére.Ela nutre especial carinho pela canção Marca daPaixão, assinada por outros companheiros de muitos anos,Márcio Proença e Marco Aurélio. Apesar do título, não tem nada aver com a novela que esteve no ar pela Record. Marco Auréliomorreu, há pouco tempo, precocemente. Era um dos maiores amigosda cantora, parceiro também de Aldir Blanc (Marco Aurélio eAldir chegaram a ter um selo fonográfico, Alma, pelo qualsaiu o disco 50 Anos, comemorativo do cinqüentenário de Aldir).É uma das perdas com as quais Nana não se acostumarájamais. Gravou muita coisa de Marco Aurélio, entre as quais acanção Outra Tarde (também com Márcio Proença), uma das maisbelas e tristes composições que a música brasileira produziu nosanos 90. Em Marca da Paixão ela parece estar cantando para oautor dos versos: "Tanta coisa pra dizer/ Tudo é nada sem você/Não dá pra disfarçar/ Essa marca da paixão" - palavras simples,versos de jeito comum, cuja profundidade revela-se ao secombinarem com a melodia. Esse é o segredo dos grandes letristas(que não devem ser confundidos com os poetas da palavra semmúsica)."Nos últimos tempos, quando a doença ficou mais séria,Marco Aurélio fez letras sem parar, compôs sem parar. Tenhoguardadas muitas coisas dele, principalmente feitas com oProença", conta Nana. "Mas não acho que seja hora de juntar aobra num disco, num songbook, embora a obra mereça", ressalva."O mercado anda muito preguiçoso, as gravadoras em pânico com aqueda das vendas, com a pirataria; todo mundo diz que está tudomuito caro, o disco, o ingresso dos shows, o que justificaria aimpossibilidade de se fazer temporadas - e pode ser que tudoesteja caro mesmo, embora os aeroportos vivam cheios" - ela nãoperde a chance de uma alfinetada.Seja como for, seu espetáculo sai de São Paulo para oCanecão, no Rio, e, depois, viaja para outras praças. "Não seiquais são as próximas cidades, prefiro saber aos poucos, vou porpartes", diz. "Assim como não fico antecipando o repertório dopróximo disco. Sei que terá canções de amor, que podem sertristes, sentimentais. Não podem é ser deprimidos. Tristeza edepressão, ao contrário do que muita gente pensa, não são omesmo sentimento."Nana Caymmi. Sexta e sábado, às 22 horas; domingo, às20 horas. De R$ 30,00 a R$ 55,00. Directv Music Hall. Avenidados Jamaris, 213, tel. 5643-2500. Até domingo.

Agencia Estado,

13 de setembro de 2001 | 15h43

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.