Ná Ozetti encanta platéia

A segunda parte do 3.º Prêmio Visa MPB de Compositores já terminou, e trouxe ao público e ao júri os trabalhos do mineiro Flávio Henrique e do paulista Dante Ozzetti. Henrique fez uma apresentação muito bonita, com um ótimo apoio de vocais de Marina Machado e do Grupo Amaranto, composto por Flávia, Marina e Lúcia Ferraz. O mineiro provou com sua canção Água Marinha - em parceria com Márcio Borges - que apesar de Minas Gerais não ter litoral, seus compositores sabem muito bem falar do mar (a exemplo de Mário Gil, que já havia apresentado Anabela, uma belíssima letra, metáfora entre o amor e a saudade deixada nas águas do oceano).Dante Ozzetti já contou com a ilustre irmã Ná Ozzetti e Virgínia Rosa, cantando as letras que escreveu com o compositor Luiz Tatit. As formas concretas da "poesia falada" que caracterizou o grupo Rumo, do qual fez parte, estava aparente em composições como Dentro e Fora. Dante também conquistou a platéia, que vibrou calorosa com sua apresentação.Agora, enquanto o júri faz a difícil decisão de escolher um ganhador, a Orquestra Jazz Sinfônica e a cantora Mônica Salmaso fazem um tributo ao compositor e cantor Edu Lobo. O próprio compositor irá participar com seu violão em canções comoAcalanto, Ponteio e a célebre Beatriz.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.