Reuters
Reuters

Na esteira do Prêmio Oscar, Jared Leto lança documentário sobre briga com gravadora

Jared Leto afirma que, apesar de o Prêmio Oscar que ganhou este ano por Clube de Compras Dallas ter lhe aberto as portas em Hollywood, ele não está lá muito preocupado com a estatueta em si.

Ryan Pearson, AP

27 de abril de 2014 | 15h00

O troféu que o ator e músico levou para casa no mês passado passou por alguns maus bocados depois de circular entre seus amigos. "Estraguei o Oscar. Cheguei em casa e vi que tinha outro machucado nele", afirmou. "Meu Oscar está uma zona. Todos estavam pegando nele, passando de mão em mão nas festas. Algumas vezes o perdi de vista, mas pensei, bem, se ele sumir, é porque não deveria estar comigo. Mas sempre consegui recuperá-lo", afirma.

::: Cultura Estadão nas redes sociais :::
:: Facebook ::
:: Twitter ::

Leto está promovendo Artifact, um documentário que dirigiu sobre a batalha de sua banda, a 30 Seconds to Mars, com sua gravadora por conta de um contrato e um processo de US$ 30 milhões. O filme está disponível no Itunes e estreou neste final de semana nos Estados Unidos.

O artista de 42 anos diz que o sucesso de Clube de Compras Dallas renovou seu interesse na atuação, em parte porque também refrescou o interesse de bons cineastas nele. "Estou estudando alguns roteiros, o que é interessante, porque passei anos sem ler roteiros antes do filme. Mas agora tenho novas oportunidades de trabalhar com pessoas que realmente respeito e admiro, que me inspiraram e influenciaram."

Leto dirigiu vários dos videoclipes de sua banda, e agora dirigiu Artifact sob o pseudônimo Bartholomew Cubbins. "Seria ótimo dirigir longas. Quando tiver a história certa, é o que irei fazer", diz. "Entrei nessa indústria porque estava interessado em ser um diretor e cineasta. Eu estava na escola de artes estudando para ser um pintor. Daí mudei para cinema e larguei o curso para me tornar ator. Achei que isso me ajudaria a conseguir um emprego como diretor."

 

 

O interesse por Leto se reflete também em sua banda, a 30 Seconds to Mars. O último disco, Love, Lust, Faith & Dreams, lançado em maio do ano passado, pulou para o número 25 na lista da Billboard depois da cerimônia do Oscar. No mesmo dia, a banda aproveitou para dar um desconto no preço do álbum e lançar um novo single, Do or Die.

Leto garante que não é uma estratégia para usar seu bom momento em Hollywood para impulsionar a banda, mas reconhece que é difícil separar as duas coisas. "Não consigo saber se sou um diretor, um editor, um ator, um músico ou um empreendedor, porque estou fazendo todas essas coisas ao mesmo tempo. E eu enlouqueceria se eu tentasse traçar uma fronteira entre elas", diz.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.