Studio Brammer/Espaço das Américas/Divulgação
Studio Brammer/Espaço das Américas/Divulgação

'Mutirão' do metal reúne 7 mil fãs em SP

Reunião de King Diamond, Heaven Shall Burn, Lamb of God, Carcass e Test fecha noite paulistana

Luiz Fernando Toledo, O Estado de S.Paulo

30 de junho de 2017 | 12h27

SÃO PAULO - Não foi à toa que as ruas no entorno do Espaço das Américas, na Barra Funda, zona oeste da cidade, foram tomadas de agitados fãs vestidos de preto na tarde deste domingo, 25. O espaço abrigou apresentação única de um dos ícones do Heavy Metal dos anos 80, King Diamond (leia aqui entrevista completa) e também uma sucessão de petardos do gênero, com os grupos Heaven Shall Burn, Lamb of God, Carcass e a brasileira Test.

Apesar do leque de opções, o grande público estava lá pelo aguardado líder do grupo dinamarquês liderado por Kim Bendix Petersen, ou simplesmente King Diamond. Foram cerca de 7 mil pessoas ao local, de acordo com os organizadores do evento. O espetáculo tem início com uma sequência de obras da discografia do grupo, de "Welcome Home", do álbum Them, de 1988. Em seguida, tocam "Sleepless Nights", "Halloween" e outros clássicos que ajudaram a consolidar o gênero e serviram de influência para bandas como Slayer e Metallica. E nem só de música vive o show do músico, que faz uma verdadeira performance digna de teatro: no palco, escadas, gárgulas e uma série de apetrechos que remetem a uma história de terror em uma casa mal-assombrada. Todo o equipamento necessário para o espetáculo "Abigail", nome do álbum conceitual do grupo de 1987, chegou ao Brasil em um contêiner.

A história passa a ser contada a partir de "Arrival", a sétima do repertório. As músicas contam a a tragédia do Conde de LaFey, que mata a esposa ao atirá-la do alto da escadaria em uma noite depois de desconfiar de uma traição. Em seguida, amaldiçoado, tira uma bebê do útero da mulher. A geração o neto do conde e sua noiva herdam a mansão e são assombrados pelo espírito da criança, que leva o nome da obra.

Os dinamarqueses tocaram logo depois de Lamb of God (EUA) ter deixado atordoados os que tentaram acompanharam os riffs groovados de Now You've Got Something to Die For" e o ritmo alucinado de Redneck, que fechou a noite. O grupo, formado pelos músicos Randy Blythe (vocal), Willie Adler (guitarra), Kark Morton (guitarra), John Campbell (baixo) e Chris Adler (bateria), trouxe músicas de praticamente todos os álbuns, de Laid to Rest (Ashes of the Wake), que deu início ao show, `Engane the Fear Machine, do último disco VII: Sturm und Drang.

Também merece destaque a performance dos alemães da Heaven Shall Burn, que apresentaram uma espécie de death metal melódico com vocais guturais do último álbum, Wanderer, nunca apresentado no Brasil. A apresentação começa já com as poderosas The Loss of Fury e Bring the War Home, faixas que dão o tom do disco mais recente do grupo. A banda tem a seguinte formação: Marcus Bischoff (vocal), Alexander Dietz guitarra), Maik Weichert (guitarra), Eric Bischoff (baixo) e Christian Bass (bateria).

O festival teve início por volta das 17h com apresentação da dupla Test, formada pelo guitarrista e vocalista João Kombi e pelo baterista Barata. O grupo abriu a noite de shows com músicas no estilo death metal/grindcore.

Clássico. A grande surpresa da noite foi o retorno do Carcass, ingleses considerados criadores do grindcore e que fizeram um hiato na carreira de mais de 11 anos. O grupo chegou em São Paulo na esteira de uma série de shows, do conceituado Sweden Rock Festival, na Suécia, à Dinamarca. Aqui no Brasil, também passaram pelo Rio de Janeiro. Há ainda evento marcado para acontecer na Argentina. A banda, formada por Jeff Walker (vocal), Bill Steer (guitarra/vocal), Daniel Wilding (bateria) e Ben Ash (guitarra), mesclou clássicos da década de 90 aos recentes "socos no estômago" de Surgical Steel, álbum lançado em 2013 e que quebrou o silêncio criativo da banda em mais de uma década. Os hinos "Heartwork" e "No Love Lost" também garantiram que nenhum fã, do mais novo ao oldschool, pudesse reclamar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.