Músicos homenageiam Chico O´Farrill

Chico O´Farrill, um dos legendários maestros, compositores e arranjadores de jazz latino morreu ontem à noite em um hospital de Nova York, aos 79 anos, vítima de uma parada respiratória, segundo informou a gravadora do artista cubano. Um serviço religioso em memória de Chico O´Farril será realizado no dia 6, na Igreja de St. Peter, em Manhattan (Nueva York), contando com a apresentação da Chico O´Farrill Afro Cuban Jazz Orchestra, dirigida pelo filho do falecido músico, o pianista e compositor Arturo O´Farrill.Participarão da cerimônia os músicos Wynton Marsalis,Mario Rivera, Paquito D´Rivera e George Mraz. Chico O´Farrill nasceu em 1921, em Habana, Cuba, onde participou de vários grupos de música entre 1940 e 1948. Em Nova York trabalhou como arranjador para as orquestras de Benny Goodman e Stan Kenton e na década de 50, O´Farrill trabalhou com as orquestrasde Dizzi Gillespie e Machito, com o saxofonista CharlieParker, com quem gravou um dos discos mais importantes de suacarreira, Afro-Cuban Jazz Suite. Mais tarde trabalhou com Noro Morales e Art Farmer, com quem gravou o legendário The Aztec Suite e também dirigiu sua própria orquestra, percorrendo as principais cidades dos EUA. Ele voltou a Cuba em 1955, depois foi para o México em 1957 e retornou a Nova York em 1965, trabalhando com Count Basie, Gillespie, Gato Barbieri e David Bowie, entre outros.Nos últimos anos de sua carreira, conquistou o Grammy em 1995, por seu disco Pure Emotion, eleito o melhor disco de jazz latino. Sua orquesta também formou parte del grupo de músicos latinos que participaram do documentário Calle 54,dirigido pelo cineasta espanhol Fernando Trueba.Até poucos dias, Chico O´Farrill e sua orquestra apresentavam-se toda segunda-feira no club Birdland de Nova York.

Agencia Estado,

28 de junho de 2001 | 20h14

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.