Músicos falam sobre morte de Baden

Amigos músicos falam sobre a morte do compositor Baden Powell ocorrida hoje pela manhã, no Rio:"O Baden é um dos maiores artistas deste país, sem contar a influência que exerceu sobre mim. Comecei minha carreira tentando imitá-lo, achando que eu conseguiria imitá-lo. Sua melodia é coisa única, sou seu fã, estou sempre ouvindo-o. Meu filho Rafael, que toca violão e guitarra, também o descobriu, achei que é um sinal de que a nova geração também está atenta a um compositor e violonista como ele. A obra dele não acaba."Vicente Barreto, compositor"Que bom que ele deixa uma obra ímpar na música brasileira, não só como compositor, mas como um pioneiro no seu estilo de tocar o violão. Deixa os seus filhos legítimos (alguns bons violonistas) e muitos outros filhos musicais. De certo modo, todos nós que tocamos violão na música brasileira somos descendentes dele. Para mim, que estou chegando hoje, deixa a certeza de como devemos amar e respeitar músicos tão importantes como ele."Chico César, cantor e compositor"Baden era gênio e tinha um prestígio internacional que nós não temos idéia aqui no Brasil. Do fundo do meu coração, só posso dizer que foi muito bom ter participado, ao lado do Fernando Faro, da produção do álbum Lembranças."Wilson Simoninha, músico e diretor da Trama"Estou chocado, mais um dos grandes artistas brasileiros se vai. Como compositor, a importância de Baden Powell se equipara às de Dorival Caymmi e Tom Jobim, como solista ele é uma referência obrigatória que abriu espaço para os violonistas brasileiros nos festivais de jazz europeus."Paulo Bellinatti, músico"Acompanhei desde a hospitalização dele na clínica, quando entrou por causa de uma pneumonia, até esse momento, nos quais os seus órgãos foram tomados por uma infecção geral. Estive aqui o tempo todo, manhã, tarde e noite. Tudo foi feito para ajudá-lo mas ele se desligou deste mundo. É muito óbvia a sua importância para a música popular do mundo. Ele é um compositor de alto gabarito, brilhante. A falta dele é absoluta para a nossa música popular brasileira e para o mundo inteiro."Billy Blanco, compositor"Baden Powell não foi apenas um grande compositor lançado na bossa nova. Depois de Tom Jobim e Carlos Lyra, ele foi a prova mais opulenta do olho clínico de Vinícius de Morais. Certa vez, o poeta definiu o violonista como ´um homem-música completo´. Baden era um dos mais luminosos nomes da música latina no mundo, no mesmo nível dos mais celebrados violonistas espanhóis ou americanos."Ricardo Cravo Albin, produtor cultural"Era um gigante como instrumentista e como compositor. Gosto de tudo o que ele fez, mas gosto especialmente da série dos afro-sambas, composta com Vinícius de Morais em uma fase altamente etílica. Boa parte das canções dessa série foi composta na Clínica São Vicente, na Gávea, na zona sul do Rio, durante uma das internações de Vinícius. Driblando os médicos, Baden levava o uísque. Tenho a triste honra de haver dirigido seu último show, uma homenagem a Vinícius na qual dividia o palco com Carlos Lyra, Toquinho e Miúcha."Luís Carlos Miéle, diretor de espetáculos musicais"Na minha infância, houve alguns ritos de iniciação que me trouxeram para a civilização ocidental. Um desses ritos foi o contato com aquele limbo artístico que aglutinava o clássico e o popular brasileiro, desencadeando a satisfação - que depois se pôde ver - que só a nossa música daria ao mundo. E Baden Powell foi um dos arquitetos dessa obra, assim como Tom, Vinícius e João Gilberto. Devemos a ele o gozo de que hoje desfrutamos no conjunto das nações, ele nos deu o brasão, o escudo de uma pátria."Tom Zé, cantor e compositor"O Baden, para mim, ao lado de Garoto, é o nome que construiu a grande obra do violão brasileiro. Na ala da música popular, ele é o supra-sumo. Baden e Garoto conseguiram ser ao mesmo tempo grandes compositores e grandes instrumentistas, o que só poucos conseguem. Mas o Baden foi o maior numa terra que, ao lado da Espanha, deu ao mundo os maiores violonistas da história, como Hélio Delmiro, Paulo Bellinatti, Garoto, Marcos Pereira e outros gênios. Fui amigo dele, ele era um amigo carinhoso e sensível. Encontrei-o pela última vez há um ano e meio, no Leblon. Ele estava indo para a igreja à qual se converteu. Baden, Pixinguinha e Villa, infelizmente, não nascem sempre."Guinga, compositor e violonista"Eu conhecia o Baden havia muitos anos e tenho uma admiração irrestrita, sem limites, por ele, tanto como compositor, violinista quanto como pessoa. Eu o conheci em 1965, antes de ir para a França, e ele sempre foi um apoio, sempre torceu muito por mim, me apoiando em todos os momentos. Nós costumávamos brincar, eu tocava Bach e ele ficava improvisando. Em 1986, fui diretor de um festival de música brasileira na Martinica e Baden me proporcionou um dos grandes momentos da minha carreira, finalizando o festival comigo, juntos, improvisando. Ele deixou dois filhos que são músicos excelentes, que eu estou assistindo. O Marcel é um violonista completo. A perda de Baden só é compensada pelo que ele deixa, que é sua música."Turíbio Santos, violonistaA morte dele significa a perda de um dos maiores violonistas do mundo. Reconhecido, não pelo Brasil, que não reconhece nada, mas pela Europa, que é um continente civilizado. Sempre fomos amigos e os filhos dele são como meu sobrinhos. O Phillipe vive fazendo show com a minha filha. Como nós dois, que fizemos muitos shows juntos. Ultimamente estavamos nos encontrando nas homenagens ao Vinícius. O Vinícius chamava a mim, ao Tom e ao Baden de a sua "Santíssima Trindade". Ele nunca tinha ido tão longe. Ele sempre ameaçava que ia morrer, mas não morria. Desta vez, no entanto, a gente sabia que não tinha jeito.Carlos Lyra, cantor e compositor

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.