Divulgação
Divulgação

Músico grego Yanni cobrou o ingresso mais caro de 2014 em SP

Levantamento de site mostra que a capital paulista teve 700 shows de artistas estrangeiros no ano, média de quase dois por dia

Jotabê Medeiros, O Estado de S. Paulo

26 Dezembro 2014 | 19h33

O ingresso mais caro do ano de 2014 foi para o show do cantor new age Yanni (R$ 2 mil a cadeira Premium). A turnê de despedida do espanhol Julio Iglesias ficou em segundo lugar com R$ 1,1 mil a cadeira VIP Extra. O cantor canadense Michael Bublé cobrou R$ 980 por um lugar Premium. O festival mais caro foi o Popload Festival, cujo camarote para dois dias custou R$ 1,1 mil. O segundo colocado foi o Circuito Banco do Brasil, cujo lounge custou R$ 900.

O ranking faz parte do levantamento anual do site Rockin’ Chair, que mostra que o ano de 2014 terminou com bom saldo na área do show biz. Por todo o Estado de São Paulo, foram cerca de 700 apresentações de artistas estrangeiros ao longo do ano (uma média de quase duas por dia) e mais 25 festivais. Entre as atrações, astros do pop (One Direction), rock (Metallica, Paul McCartney, Arctic Monkeys, Arcade Fire), indie (Charli XCX, Icona Pop), (Arctic Monkeys, Arcade Fire) e jazz (Ron Carter, Esperanza Spalding, Avishai Cohen, Brad Mehldau).

Fazendo o levantamento pelo terceiro ano consecutivo, o Rockin’Chair contabilizou 544 artistas internacionais de passagem por São Paulo, num total de 831 shows. O Estado teve 28 megaeventos (com público de mais de 10 mil pessoas) e 92 eventos grandes (2 mil a 10 mil pessoas.

A casa de shows que mais abrigou espetáculos musicais em 2014 foi o Sesc Pompeia (65), mas lugares alternativos ocuparam rapidamente postos importantes na cena, como o Cine Joia (22 shows internacionais), o Audio Club (15 shows internacionais) e o Clash Club (26 shows).

O rock segue sendo o maciço objeto de interesse dos promotores paulistas: contando metal, indie, punk e o rock propriamente dito, o número de shows é soberano: 372 concertos. Mas a surpresa fica por conta do segundo colocado, o jazz, que nos Estados Unidos é um nicho de mercado se comparado ao hip-hop e outras forças: foram 73 shows jazzísticos.

Artistas de língua inglesa foram os mais solicitados pelo show biz paulista: foram 246 norte-americanos e 57 ingleses. Uma curiosidade é que, apesar de língua irmã, só 6 artistas portugueses fizeram apresentações aqui em 2014.

NÚMEROS

Catraca

O preço médio do ingresso foi de R$ 123 (em 2013, era R$ 142)

De ouro

Cadeira premium de Yanni custou R$ 2 mil; Julio Iglesias, R$ 1,1 mil a cadeira VIP, e Michael Bublé, R$ 980

Desprestigiados

Ska, funk, reggae e música experimental foram os gêneros que menos tiveram shows – juntos, não alcançaram a música eletrônica

Menos muvuca

Os shows fora de festivais foram 695, ante 136 shows em festivais

Vizinhos

Argentina, país latino-americano que mais enviou artistas a SP (11), seguida pelo Chile (9) e Cuba (9)

Sesc

4 unidades do Sesc estão entre as que mais abrigaram shows

Mais conteúdo sobre:
rockmúsica internacional

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.