Música instrumental é tema de congresso em SP

Começa hoje e vai até quinta-feira o Congresso da Música Instrumental Brasileira, que reúne em mesas de debates e workshops músicos, empresários, produtores, agentes culturais e público em busca de respostas para uma questão antiga: como fica, diante de realidades de uma mercado cada vez menos atento à qualidade e menos ainda aberto a novidades, a situação do músico profissional no País.Pelas dimensões, o Congresso é iniciativa inédita. Traz para o debate pelo menos 20 músicos (ou bandas), sob orientação da comissão formada por Amilton Godoy, Luiz Bueno (do Duofel), Mou Brasil e Ulisses Rocha. Os outros convidados farão palestras, workshops ou shows conceituais, sempre de 40 minutos. Entre eles se contam o violonista André Geraissati, o baterista Duda Neves, o tecladista Lupa Santiago, o pianista André Mehmari, o guitarrista Cláudio Celso, o contrabaixista Sizão Machado, o grupo de pontos de candomblé Terrêro de Jesus, o Zimbo Trio, a flautista Léa Freire.Além dos músicos, participarão das mesas representantes das Secretarias de Cultura do Estado e do Município, do Itaú Cultural, do Sesc, do Centro Cultural Banco do Brasil, da Unicamp, da Orquestra Sinfônica estadual, do Centro de Estudos Musicais do Jobim, do Sesc. O diretor do Sesc São Paulo, Danilo Santos de Miranda, estará na mesa de amanhã.Quem realiza o congresso é a empresa de comunicações Textos & Idéias, que tem apoio, entre empresas e instituições, do jornal Estado e da Rádio Eldorado. Entre os temas em pauta estão a relação do músico com o mercado, a maneira como o mercado vê o músico, questões técnicas das novas tecnologias, o mercado internacional. A sede do congresso é o Sesc Vila Mariana e as atividades espalham-se pelas dependências da casa. As inscrições custam R$ 100,00 e outras informações podem ser obtidas no site www.textoseideias.com.br/cmib.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.