Música erudita dá o tom do Festival de Campos

Começa hoje à noite o 34.º Festival de Inverno de Campos do Jordão, aquele evento que ocorre todos os anos na cidade serrana em época de frio e oferece muita música de qualidade para se ouvir. Quem for conferir a programação deste ano vai encontrar um festival de inverno um pouco diferente do modelo realizado nos últimos anos. É que voltar às raízes parece ser o lema desta edição do evento. Se, em anos recentes, shows de MPB entraram na programação do festival de Campos do Jordão, em 2003 a organização vai dar destaque total à música erudita. A reorientação, aliada ao aumento no número de bolsas de estudo concedidas a jovens músicos, trazem de volta o projeto idealizado pelo maestro Eleazar de Carvalho nos anos 70.Aos olhos do público, no entanto, o que vai sobressair é a programação musical intensa. Serão cerca de 50 apresentações, 28 delas no auditório Cláudio Santoro, 7 na Igreja de São Benedito, 7 na Praça do Capivari, além de uma série de concertos em cidades vizinhas, entre elas Tatuí, Queluz, Cunha, São Bento do Sapucaí, Santo Antônio do Pinhal e São Luiz do Paraitinga. A abertura oficial do evento será feita pela Osesp, sob a regência do maestro John Neschling, no auditório Cláudio Santoro, hoje às 21 horas, com transmissão ao vivo pela TV Cultura. Mas esta é apenas a mais conhecida das orquestras que se apresentam em Campos do Jordão este mês. O público vai poder conferir também as apresentações das orquestras Experimental de Repertório, Sinfônica Municipal de São Paulo, Sinfônica Municipal de Campinas, Sinfonia Cultura, Sinfônica Jovem do Estado, Jazz Sinfônica, Banda Filarmônica do Estado e a Orquestra dos Bolsistas. Tudo isso até o dia 26, quando novamente a Osesp encerra o festival. No meio de tantas orquestras, a programação de solistas, duos, trios e outras formações eruditas segue forte em Campos do Jordão. Restaurantes - No frio da serra, é ótima pedida alternar os concertos de música erudita com boa comida. E isso Campos do Jordão tem de sobra. Uma boa dica é o restaurante Araucária, que fica no Grande Hotel Senac, a cinco minutos do centro do Capivari. Lá o visitante pode experimentar pratos da cozinha mediterrânea, com destaque para massas, risotos e carnes especiais, como o javali. No Davos, encontra-se um dos ambientes mais românticos da cidade, com lareira e sax ao vivo. Lá servem-se pratos franco-suíços, com destaque para os fondues de queijo com funghi e carne. Outra pedida é a Confraria do Sabor, com seu filé de badejo com crosta de bacalhau e risoto de frutos do mar. Outra sugestão é Harry Pisek, de comida típica alemã. A casa serve 20 tipos de salsicha, todas produzidas no local pelo mestre salsicheiro Harry Pisek, que dá nome ao restaurante.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.