Música do Nordeste invade São Paulo

Vasto Nordeste, imensa sua música - três faces dela serão mostradas no fim de semana, em palcos dacidade. Nesta sexta e sábado, o grupo A Barca apresenta, no ItaúCultural, um ritual maranhense de origem religiosa, tema de seudisco em lançamento - Baião de Princesas (CPC-Umes). Tambémamanhã e sábado, mas no Sesc Ipiranga, a cantora MônicaSalmaso canta a música de Dorival Caymmi, acompanhado pelo trioformado por André Mehmari (piano), Dimos Goudaroulis(violoncelo) e Sérgio Reze (percussão). E no domingo, no SescPompéia, o sertanejo-cantador baiano João Bá promove olançamento do CD independente com o qual comemora os 50 anos decarreira. O grupo A Barca surgiu em 1998: uma turma de músicospaulistanos dispostos a estudar e expor a riqueza da culturapopular brasileira. Seu primeiro trabalho fez-se orientar pelolevantamento de Mário de Andrade da música do Sudeste e Nordeste- o primordial Turista Aprendiz. O trabalho de Mário deunome ao disco de estréia do conjunto, lançado em seguida. Emshows pelo Brasil, A Barca chegou a São Luís do Maranhão, ondefez contato com a Casa Fanti-Ashanti. Criada em 1954, a Casa Fanti-Ashanti, centro de culturapopular, mantém um calendário de festas e manifestações sagradase profanas do Maranhão - o tambor de mina, o almoço doscachorros, o tambor-de-crioula, o encruzo e, entre muitas outras, o baião de princesas, uma festa religiosa que remonta a meadosdo século 19, surgida no Terreiro do Egito. O ritual do baião de princesas começava na manhã do dia12 de dezembro, seguia pela tarde e varava a noite, tendo fim natarde do dia seguinte. Festa de tambores, proibida, como outrasmanifestações religiosas populares, disfarçava-se de profanatrocando o tambor pela rabeca, pela sanfona, pelos adufes,violões e cavaquinhos. Hoje, é realizada no 13 de dezembro, diade Santa Luzia. Baião de Princesas, o disco, foi gravado na CasaFanti-Ashanti, ao vivo, com participação do chefe da casa, obabalorixá Euclides Talabyaian, e por outros membros dacomunidade, alguns dos quais estarão, com A Barca, no palco doItaú Cultural, convidando o público a ver e ouvir "o Mestrereis dos mestres, a estrela que nos guia", a acompanhar achegada da mãe d´água, em seu capote de veludo, seu chapéudourado e as demais princesas e rainhas em mantas de miçangas,jóias, xales, leques e fitas. Cumpre lembrar que A Barca contou, na elaboração dotrabalho, com a colaboração de uma das mais sérias instituiçõesde pesquisa popular, a Fundação Cultural Cachuera!, um aval demuito peso. E ressaltar que, em relação ao primeiro disco, ABarca deu um salto qualitativo impressionante. Intervindo menosnos resultado final - ou seja, deixando que os sotaques, assonoridades originais soem quase soberanas -, A Barca presenteiao público com um documento que vem juntar-se ao que de maisprecioso existe em matéria de registro da tradição popular. Sons da Bahia - Mônica Salmaso concebeu, em pareceriacom o produtor Homero Ferreira, para o Sesc Ipiranga, o projetoPonto in Comum. Cantora que não se rende a gêneros, a paulistanaMônica organizou uma série de cinco concertos que fazem ponteentre linguagens aparentemente distantes da música brasileira. Odeste fim de semana, Dorival Caymmi - Do Mar a Maricotinha -é o último da série. Unirá sua voz singular aos gênios (não háexagero) de três jovens instrumentistas - o niteroiense AndréMehmari, o grego Dimos Goudaroulis e o paulista Sérgio Reze,músicos de formação erudita, imaginação vibrante, gosto pelojazz e pelo improviso. Daí nascerá, certamente, uma visão incomum - otrocadilho é deles - da música de Caymmi. É permissívelantecipar que respeito (não obediência) e ousadia (nenhumainvencionice modista) vão temperar as leituras de clássicos comoA Preta do Acarajé, O Bem do Mar, Pescaria, AVizinha do Lado. Nascido em Crisópolis, no sertão baiano, o poeta, ator,compositor e cantador João Bá começou carreira aos 12 anos e éuma referência da música do interior do seu Estado, tendo obras- são mais de 200 músicas - gravadas por Hermeto Paschoal, AlmirSater, Diana Pequeno, Dércio Marques, Marlui Miranda e muitosmais. Diana Pequeno, Marlui, Gereba, Titane, Guru Martins, NeyCouteiro, Lila, Almir Sater, Dércio Marques, Bule-Bule, DinhoNascimento e Vidal França são alguns dos convidados especiais doCD João Bá - 50 Anos de Carreira, que o cantador lança nodomingo, no Sesc Pompéia. No palco, com ele, estará o tambémbaiano Vidal França. Acompanhados por grupo de grandes músicos,lembrarão obras que marcaram a carreira de João Bá, como Fachode Fogo (deles dois), que Diana Pequeno defendeu no festivalda TV Tupi de 1966, quando a história começava a ser contadaA Barca - Sexta e sábado, às 19h30. Entradafranca (os ingressos devem ser retirados com 1h30 deantecedência). Itaú Cultural. Avenida Paulista, 149, tel.3268-1777. Até sábadoJoão Bá - Domingo, às 18 horas. R$ 5,00 (estudantes), R$7,50 e R$ 10,00. Teatro do Sesc Pompéia. Rua Clélia, 93, tel.3871-7700Ponto in Comum - Sexta e sábado, às 21 horas. De R$4,00 (estudantes), R$ 8,00 e R$ 16,00. Sesc Ipiranga. Rua BomPastor, 822, São Paulo, tel. 3340-2000.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.