Música cede espaço para debates no Rock in Rio

Um dos "palcos" do Rock in Rio não abrigará música, mas fóruns de debates com alguns dos temas mais candentes da atualidade, como globalização, qualidade de vida, meio ambiente, desenvolvimento sustentável e, o mais ambicioso deles, a paz no mundo.Trata-se da Tenda Mundo Melhor, com capacidade para cerca de 600 pessoas e cujos debates receberão, já nesta semana, convidados como o timorense José Ramos-Horta, ganhador do Prêmio Nobel da Paz em 1996 (dividido com o também timorense Carlos Belo). Atualmente, Ramos-Horta é uma espécie de ministro das Relações Exteriores informal do futuro país Timor Leste, que deverá tornar-se independente até o fim de 2001.Líder da resistência timorense contra o domínio indonésio, José Ramos-Horta ficou 24 anos no exílio e só voltou ao seu País no ano passado, após os conflitos que resultaram na separação do pequeno país de colonização portuguesa. As forças indonésias massacraram cerca de 200 mil timorenses em mais de duas décadas.A Tenda Mundo Melhor funcionará das 13h30 à meia-noite. Os fóruns de debates vão até 18h30. Depois, seguem-se mostras de vídeos. Haverá também apresentações de música, grafite, dança e circo, que serão apresentadas por grupos artísticos e organizações não-governamentais (ONGs).Todo dia, às 16h30, o fórum independente da Tenda Mundo Melhor dará a tribuna a um jovem, escolhido entre centros acadêmicos e instituições estudantis, para que apresente propostas, idéias e objetivos para melhorar o planeta.A abertura da tenda será já na sexta-feira. Além de Ramos-Horta, outro importante convidado da noite inicial é o sub-secretário geral da ONU, o canadense Maurice Strong. Conselheiro do secretário geral Kofi Annan, Strong é também conselheiro de James Wolfenson, presidente do Banco Mundial e diretor de diversas outras instituições, como o World Resources Institute, World Economic Forum.Outros convidados, além de Horta e Strong, são o diretor do programa Viva Rio, Rubem César; Hanne Strong, fundadora da Earth Restauration Corps, um programa internacional destinado à restauração e sustentação do planeta; Bawa Jain, Secretário Geral dos Líderes Espirituais e Religiosos no Encontro da Cúpula do Milênio para Paz das Nações Unidas, em Nova York; a banqueira Milu Villela, presidente do Museu de Arte Moderna de São Paulo e também do Ano Internacional do Voluntário; Jan Hartke, diretor da Earth Voice; Jorge Wertein, representante da Unesco no Brasil; o ministro brasileiro do Meio Ambiente, José Sarney Filho; e Rosinha Matheus, primeira-dama do Estado do Rio de Janeiro e Secretária de Ação Social e Cidadania do Estado.Os debatedores dos dias seguintes incluem o frei Leonardo Boff, escritor; a ialorixá Mãe Beata de Iemanjá, sacerdotisa do candomblé; o lama tibetano Chagdud Rinpoche e o reverendo Charles Gibbs, pastor episcopal americano e diretor da Iniciativa das Religiões Unidas, grupo instalado na Califórnia, entre outros. As apresentações artísticas incluem a tradição musical do Jongo da Serrinha.

Agencia Estado,

07 de janeiro de 2001 | 17h09

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.