Música barroca no Teatro São Pedro

Com nova formação, a Orquestra de Câmara Villa-Lobos faz, neste domingo, no Teatro São Pedro, a primeira apresentação da série Sempre aos Domingos, que até novembro levará o grupo uma vez por mês ao teatro. O programa desta semana reúne peças de compositores alemães do período barroco: Pachelbel, Haendel, Telleman e Bach.A idéia da série surgiu da necessidade de os músicos estarem em atividade constante. "O músico precisa disso para crescer musicalmente", afirma Betina Stegman, spalla do grupo. Além disso, com os concertos no Teatro São Pedro, a orquestra espera criar uma alternativa para o público paulistano nas tardes de domingo e criar, assim, um público para a música de câmara. "Conjuntos de câmara têm uma receptividade maior fora do País do que aqui, onde não é fácil criar uma audiência", diz Betina.O programa das apresentações mostra essa preocupação. A cada mês, o conjunto vai interpretar peças de compositores de mesma nacionalidade. Outra característica é a escolha de peças conhecidas pelo público em geral. "Nossa intenção é fazer com que o público reconheça, nos concertos, as peças executadas e possa deleitar-se enquanto relaxa da correria do dia-a-dia", afirma a violinista. Ela ressalta, porém, que as peças vão ganhar nova roupagem. "Hoje em dia há uma tendência de privilegiar-se obras pouco conhecidas, mas nossa opção é de ir contra a corrente sem, no entanto, abrir mão da possibilidade de dar à interpretação uma cara viva, espontânea, brasileira".Em julho, os compositores italianos serão o destaque com a presença de Vivaldi, Albinoni e Rossini. Em agosto será a vez de Copland e Piazzolla, em um concerto dedicado a compositores do continente americano. Os russos são o tema de setembro, com obras de Tchaikovsky, Stravinsky, Rachmaninoff e Borodin. Os brasileiros aparecem em seguida, com Villa-Lobos, Radamés Gnatalli, Edno Krieger e Camargo Guarnieri. Finalmente, em novembro, Mozart, Schubert e Haydn aparecem no concerto dedicado aos austríacos.Criada em 1992, a Orquestra de Câmara Villa-Lobos recebeu da crítica especializada elogios dos mais variados. O próprio maestro Zubin Mehta, ao referir-se ao grupo, disse: "Tecnicamente impecável, dos primeiros violinos ao contrabaixo, eles tocam com o coração".As dificuldades com o patrocínio, no entanto, fizeram com que o grupo passasse por momentos complicados. Os músicos pensaram, até mesmo, em acabar com a orquestra. "O amor pela música, no entanto, fez com que insistíssemos no projeto e iniciássemos o processo de reformulação", conta Audino Nunes, que está no grupo desde sua criação. O resultado, o público paulistano pode acompanhar a partir desta semana.Orquestra de Câmara Villa-Lobos. Domingo, às 16h30. R$ 30. Teatro São Pedro. Rua Barra Funda, 171, tel. 3667-0499

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.