Aydano Fonseca
Aydano Fonseca

Música amapaense ganha duas noites no Sesc Pompeia

Família Bastos, Senzalas, Finéias Nelluty, Silmara Lobato, Grupo Afro Brasil e Brenda Melo trazem sonoridades que representam uma cultura do extremo Norte pouco difundida pelo País

Julio Maria, O Estado de S.Paulo

03 Agosto 2017 | 14h56

Um canto de Brasil de linguagem poética, rítmica e melódica bastante particular e raramente visitado pelos próprios autores brasileiros será tema de uma mostra de dois dias, a partir desta quinta (3), no Sesc Pompeia. Noites de Marabaixo, com produção executiva de Débora Venturini e curadoria e direção artística de Dante Ozzetti, faz, pela primeira vez, um sobrevoo pela diversa produção amapaense.

A cantora que tem aberto trincheiras para a valorização de compositores e músicos do Amapá é Patrícia Bastos, de Macapá. Seu álbum Batom Bacaba, lançado em outubro de 2016, foi indicado a melhor disco de MPB no Prêmio da Música Brasileira deste ano, perdendo para Abraçar e Agradecer, de Maria Bethânia. Baton Bacaba eleva a criação nova de seu estado ao desacorrentá-la dos formatos de “música amazônica” convencionais, com menções a pássaros e rios, retratadas em geral por artistas do eixo Rio-São Paulo. A produção que o torna universal foi de Dante Ozzetti, compositor e cantor de visão holística, sem separar características rítmicas de melódicas. Seu mergulho foi tanto que, no mesmo 2016, ele lançou Amazônia Órbita, um trabalho de abordagem sinfônica que surpreende qualquer ideia do que pode ser a música amapaense.

Com tal histórico, não poderia ser diferente. A noite de hoje (3) será de Patrícia Bastos, que recoloca no palco o elogiado show de Baton Bacaba. Ná Ozzetti, irmã de Dante, será convidada especial. O disco de Patrícia é, por si, uma mostra da presença de nomes dignos do primeiro time da composição brasileira, como Joãozinho Gomes, Val Milhomem e Paulo Bastos. “Joãozinho, para mim, está no mesmo patamar de um Chico Buarque, de um Luiz Tatit. Ele usa as particularidades amazônicas de forma sutil, poética, como ninguém”, diz Dante.

A segunda noite, sexta (4), será mais diversificada. Dante escalou o cantor e guitarrista Finéias Nelluty, representante das sonoridades mais pop, misturando ritmos da vizinha Guiana Francesa com os bregas nortistas. A jovem cantora Brenda Melo, de 24 anos, tem em Patrícia uma referência. Silmara Lobato vem da banda Negro de Nós, com repertório de baile e foco no reggae e nas formas como o Norte digeriu o Caribe em sua história. Oneide Bastos é uma cantora de recursos refinados e repertório autoral (ela também compõe). Mãe de Patrícia, se tornou a primeira mulher de seu estado a lançar um disco. “Mudei alguns arranjos de suas gravações originais, retirando acompanhamentos de teclado e escrevendo para clarone, flauta e violão. Quero que sua voz apareça mais”, conta Dante. O grupo Senzalas, nome reconhecido da música nortista, faz uma rara aparição, com Joãozinho Gomes, Val Milhomem e Amadeu Cavalcante.

O compositor e percussionista Paulo Bastos vai antecipar três canções do álbum solo Batuqueiros, previsto para sair em setembro. Ele é produtor também do grupo Afro Brasil, que vem para São Paulo direto do Quilombo do Curiaú, um recanto nas redondezas de Macapá onde os negros descendentes de escravos ainda cultivam as formas artísticas da época da colonização. É de lá que saem o particular batuque do Curiaú e um marabaixo, ritmo exclusivamente do Amapá, com um sotaque diferente de seu primo gestado em outra comunidade, na cidade vizinha de Mazargão.

“O Amapá tem as ligações com a música trazida pelos negros africanos na forma mais pura”, diz Paulo Bastos, comparando com as influências africanas de outros estados, como Rio e Bahia. O que forma a identidade de seus artistas é também o que transborda da vizinha Guiana Francesa em ritmos como o cacicó e o zouk. “Não basta usar elementos como índio e árvores para se falar de Amazônia”, diz Dante. “Esses artistas vão além disso.”

NOITES DE MARABAIXO

Sesc Pompeia. Rua Clélia, 93

Telefone: 3871-7700

5ª (3) e 6ª (4), às 21h30. Vários artistas 

Ingressos: de R$ 9 a R$ 30 

Mais conteúdo sobre:
Dante OzzettiAmapá [estado]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.