Mundo Mix celebra o Agosto Negro

Tradicionalmente ligado aosmovimentos de diversidade sexual, o Mundo Mix vai acolher agoraa resistência racial. Nestes sábado e domingo, no galpão doMundo Mix na Barra Funda (Av. Francisco Matarazzo, 530, zonaoeste de São Paulo), para celebrar o chamado Agosto Negro. Datahistórica festejada desde a década de 70, nos Estados Unidos, éum marco dos movimentos de combate ao racismo das comunidadesnegras, ou afro-americanas.O Mercado Mundo (Black) Mix, segundo Alexandre Youssef,coordenador de Juventude da Prefeitura de São Paulo, vai reunirvários DJs de samba-rock, funk, rap e outros ritmos black, gentecomo Thaíde e DJ Hum e o rapper X. O coordenador estima em cercade 15 mil pessoas o público."No Brasil, a irreversível valorização da cultura negraculminou na crescente disseminação de seus elementos e,principalmente, de suas expressões artísticas; e como pano defundo temos a black music no geral, com grande destaque para ohip hop que faz a trilha sonora em todos os palcos quereivindicam igualdade entre os povos da diáspora africana",justificam os idealizadores do encontro, da CoordenadoriaEspecial do Negro em São Paulo.O Agosto Negro foi lançado ainda no dia 30 de julho.Prossegue até o fim do mês. Na semana que vem, no sábado, noBoulevard São João, o grafiteiro Aprendiz vai pintar um painelenquando os DJs Tampa e Renato animam a jornada, denominada RealHip Hop, que tem ainda o break de Style Crew. No domingo, noEspaço Unibanco, jornada do movimento cinematográfico DogmaFeijoada.Mercado Mundo Mix. Integra a programação do eventoAgosto Negro. Sábado e domingo, das 14 às 22 horas. R$ 4,00 eR$ 5,00 . Local: Avenida Francisci Matarazzo, 530.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.