Ernesto Rodrigues/Estadão
Ernesto Rodrigues/Estadão

Multidão concentra-se em fila para aguardar velório de Chorão em Santos

Após velório, caminhão do Corpo de Bombeiros levará corpo para local do enterro

Zuleide de Barros,

06 de março de 2013 | 19h45

SANTOS - Mesmo sabendo que o corpo de Alexandre Magno Abrão, o Chorão, vocalista da banda Charlie Brown Jr. só chegaria depois das 19 horas, uma multidão de fãs já se concentrava desde o início da tarde em frente ao Ginásio de Esportes Arena Santos, na Vila Mathias, para participar do velório. As estudantes Giovanna Nobre, Mirielly Tavares e Gisele Albuquerque, que moram no Morro do São Bento, em Santos, foram as primeiras a chegar. Cansadas de ficar em pé, uma vez que chegaram por volta das 14h30, elas resolveram sentar no chão, depois das 18 horas, à espera da abertura dos portões. "Vamos ficar aqui o máximo que pudermos para homenagear nosso ídolo", afirmavam, pouco se importando com a dificuldade de condução para retornarem às suas residências no decorrer da noite.

Gisele, a mais velha, de 26 anos, dizia que jamais iria se esquecer do show que a banda fez no dia 27 de outubro do ano passado, no Clube Portuários. "O Chorão não morreu: ele apenas deu uma pausa aqui na terra para levar alegria lá para o Céu", fazia questão de frisar, recordando-se de uma entrevista que o próprio vocalista fazendo tal afirmação. "Só o corpo se foi", concluía, conformada. Pouco conformado encontrava-se outro fã, de muletas, em consequência de uma queda de skate que sofreu no final do ano passado. O ajudante de operações da Sabesp, Clayton de Andrade Adriano, que mora no bairro do Jóquei Clube, em São Vicente, dizia que iria esperar o tempo que fosse necessário para se despedir do Chorão. "O meu sentimento é de total perda, porque ele era um cara de verdade", lamentava em tom solene. Clayton acompanhava a carreira da banda desde o seu início, em 1992. "Ninguém vai substituí-lo, porque o Chorão era um gênio, haja vista as letras das suas canções, que só pregavam o amor e a paz", concluía.

Além da multidão, formada por pessoas, na maioria jovens, que se acotovelavam em quase um quilômetro de fila, sob a chuva fina que caía em Santos no final da tarde, mais de uma dezena de veículos de comunicação, em especial as emissoras de televisão da capital com links de transmissão, posicionavam-se no estacionamento do Arena Santos para acompanhar a chegada do corpo e o velório de Chorão. O enterro está marcado para o final da tarde desta quinta-feira e segundo os organizadores, o corpo do vocalista deverá ser transportado pelo caminhão dos Bombeiros até o cemitério Memorial Necrópole Ecumênica, localizado no bairro do Marapé.

Tudo o que sabemos sobre:
ChorãoCharlie Brown

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.