MP quer vetar veiculação do clipe do Facção Central

O clipe Isto aqui É uma Guerra, do grupo de rap Facção Central, está sendo acusado pelo Ministério Público de São Paulo de incitar as pessoas ao crime e teve veiculação reduzida na programação da MTV. Na tela, imagens de violência, seqüestro e assassinato."Estou estudando alguma forma de suspender a veiculação do clipe antes da decisão do inquérito", diz o promotor Carlos Cardoso, assessor especial de Direitos Humanos do Ministério Público, que pretende enviar uma cópia à promotoria criminal. "Os responsáveis serão punidos". Se for constatada a incitação ao crime, a pena poderá ser de até seis meses de detenção.Exibido no programa Yo! MTV, às terças à meia-noite e aos sábados às 11 horas, Isto aqui É uma Guerra estreou na emissora no dia 9 de maio e já foi veiculado seis vezes até agora. Mostra o cotidiano de um grupo de assaltantes. Em nenhum momento há apologia ao crime e, no final, os assaltantes são mortos", diz o diretor Dino Dragoni, que já trabalhou com o Ira! e Los Hermanos. "Tenho de admitir que não há cenas bonitas mas eu preferi mostrar a realidade de uma grande cidade".O promotor Cardoso acredita, no entanto, que o clipe causa dois efeitos negativos a quem o vê. Segundo ele, além da banalização da violência, há o preconceito ao jovem morador das periferias (no clipe, assaltantes usam uniformes do Corinthians). "É um manual ensinando as pessoas a cometer crimes", diz.Versos como "vou enquadrar uma burguesa e atirar para matar" e "quem tem fome mata" antecedem uma cena em que os marginais invadem uma residência e atiram à queima-roupa em uma mulher. Em outra seqüência, assaltam um banco e fazem reféns. Alguma relação com a transmissão do seqüestro do ônibus no Rio, há duas semanas?A MTV diz que recebeu cinco e-mails de telespectadores se dizendo cansados de ver tanta violência na TV e pedindo a retirada do clipe da programação. Apesar de o número ser pequeno a emissora diz que raramente recebe pedidos desse tipo. "Outros canais exibem programas mais violentos e ninguém reclama", diz Dragoni. Já Cardoso acredita que "filmes policiais também criam estereótipos negativos, mas o problema é que esse clipe está associado à nossa realidade e toma o partido do pobre que se torna marginal". É o segundo caso de polêmica relacionada a clipes na MTV. No mês passado, a emissora relegou Please Don´t Let Me Be Misunderstood, de Edson Cordeiro, ao horário da madrugada, devido às cenas de sexo oral.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.